O 9º episódio da 6ª temporada, escrito por Mark Gatiss, que durante as filmagens era chamado de “What Are Little Boys Made Of?” terá...

O 9º episódio da 6ª temporada, escrito por Mark Gatiss, que durante as filmagens era chamado de “What Are Little Boys Made Of?” terá um nome novo, pois o roteirista achou que o nome era grande demais…

De acordo com Gatiss, dois nomes estão sendo cogitados: “House Call” e “Night Terrors”, sendo que ele prefere o segundo.

O episódio será centrado num garoto chamado George que tem medo de algo em seu armário. Mesmo que Gatiss não revele o que seria isso, é provável que sejam as bonecas gigantes, ou algo relacionado à elas…

Fonte: Doctor Who TV

Universo Who

Publicações feitas por colaboradores que em algum momento fizeram parte da história deste site desde 2009, mas que não mais fazem parte do projeto.

  • Bianca Cavani

    fevereiro 11, 2011 #1 Author

    Ah, eu bem que gosto de um nome comprido. “Tipo”, que título mais cool que “Brilho eterno de uma mente sem lembrança”?
    O Mark Gatiss não é meu roteirista de DW favorito. Vamos ver se ele muda isso, e muda para o number one.

    Responder

    • Matheus Carvalho

      fevereiro 11, 2011 #2 Author

      Pra mim também não…Sempre achei os piores episódios das temporadas…normalmente os deles. Temporada passada ele pegou um monstro que já existia…E acho que isso foi bom pra ele…Vamos ver agora que ele volta com um monstro próprio dele… E realmente…What Little Boys Are Made Of? é muito melhor que os outros dois títulos…Tem todo um humor britânico eu acho..

      Responder

    • Eddy

      fevereiro 12, 2011 #3 Author

      Eu acho que o Gatiss faz o possível com os temas entregues. O que houve é que ele sempre deu azar de pegar temas ruins.
      O processo de escrita de Doctor Who funciona assim: roteirista chefe (agora o Moffat, antes o Russel) já pensa na temporada inteira, na base dela, na verdade, e aí passa temas pros roteiristas escreverem um episódio sobre este tema.

      Por exemplo, Victory of the Daleks começou com a ideia do Moffat de ter daleks na segunda guerra mundial sendo usados como armas do Reino Unido (e ele também queria os spitfires – aviões de guerra – no espaço), o Gatiss teve que expandir esta ideia.

      Responder

  • Bianca Cavani

    fevereiro 11, 2011 #4 Author

    Mas eu gosto tanto da Era Russell, que mesmo aqueles epis que eu não achei tão legal, agora passei a gostar. Sabe, “tipo” pegando o album de fotografias, morrendo de saudade, lembrando os dias felizes, achando tudo lindo, até os feinhos da foto?

    Responder

    • bigfuckingnerd

      fevereiro 13, 2011 #5 Author

      Até mesmo “Love & Monsters”?

      Responder

      • Bianca Cavani

        fevereiro 13, 2011 #6 Author

        bigfukingne,
        Eu gostei de Love @ Monsters. A história daqueles esquisitos,o ator central era ótimo, e o monstro foi criado por uma criança (houve um concurso, e tal). Talvez o mosntro tenha sido tão nojento, tão repugnante, que ficamos com uma certa repulsa ao epi. Mas é bem legal, diferente (é preciso ter uns epis experimentais, etc.).

        O epi do Lazaro também foi legal. Até mesmo ficou interligado à história (quando volta o Master). O problema foi o monstro esquisitão.

        O que eu achei piorzinho foi o da criança que desenhava e o ser que ela desenhava sumia. Mas, olhando agora em perspectiva, a história não é ruim: aqueles aliens diminutos, solictários, etc. O problema foi a escolha das atrizes (mãe e filha, fala sério, que desastre) e o pai-satânico no armário (para que aquilo, santodeus!). Mas a história em si era legalzinha…

        Responder

        • Eddy

          fevereiro 13, 2011 #7 Author

          O meu problema com Love & Monsters não foi o monstro, foi a história dos caras sobreviverem no corpo dele e da garota sobreviver como um pedaço de concreto e ainda ter uma vida romântica (eu ia colocar “sexual” aqui, mas achei melhor não) com o Elton……

          E eu achava que era o único que não tinha achado Lazarus Experiment ruim, THANK GOD I’M NOT ALONE!!!

          Responder

  • John Doe

    fevereiro 11, 2011 #8 Author

    Não aguento mais o mistério, quando teremos o bom Doctor devolta as telas…

    Responder

    • Bianca Cavani

      fevereiro 14, 2011 #9 Author

      Eddy, não só “you aren’t alone” como “the truth is out there”, rsrs
      Minha teoria é: monstros muito repugnantes/nojentos em DW levam algumas pessoas a achar que o epi não foi bom. Exemplo: o epis em Manhatan (javalis-homens e Dalek meio humano)e os já citados. Não há nada de errado com a história de Lazarus Experiment: como disse, no fim ali havia os dedinhos malévolos do Master; o pano de fundo – aquela puta festa, com pessoas elegantes, lugar elegante, DW a la James Bond – foi bem diferente, e isso é bom para a série surpreender sempre. Você não gosta da Martha, ceto? Pois eu odeio de morte a mãe dela: as expressões da atriz e a historinha dela, de mala sem alça. Mas a história foi boa, as relexões finais do “Lazarus” (tão vulnerável, nu de corpo e alma…) morrendo ao lado do DW – coisas que iam ao encontro do que pensava/vivia o DW foram muito legais.

      Sem querer ofender ninguém, aliás sem me referir a ninguém em particular, só como um olhar sociológico, eu acho que, às vezes, alguém expressa uma opinião (subjetiva) e as pessoas leem e adotam aquela ideia, disseminando-a, até que tal opinião passa a ser vista como uma verdade objetiva, acabada, definitiva. Penso que foi isso que aconteceu com Lazarus Experiment. E o mesmo se aplica em relação a prêmios: num dado momento, algumas pessoas resolvem premiar (no meio de trozentos) certo programa ou ator. Não é isso que deveria influenciar nosso julgamento, não é?

      Responder

  • Rey N KaJ

    fevereiro 13, 2011 #10 Author

    tudo passa, tudo passsaaaa….vamos ver se ele faz algo de bom para variar

    Responder

  • Lucia

    fevereiro 14, 2011 #11 Author

    Love and Monsters é um dos episodios favoritos, um approach totalmente diferente do epi. Doctor Who mostrado através dos olhos de um outsider, que não o conhecia e nem era da equipe. Os nerds solitarios, esquisitos, precisando apenas de um pretexto pra se ligarem emocionalmente. O elenco sensacional. Extravagante, hilario, inesperadamente humano! Achei o final tão legal… a vida é tao mais perigosa, estranha e divertida do que dizem… isso aí, Elton! Tô com contigo!

    E que que tem a vida amorosa do Elton e da Ursula? Só não pensar mto no assunto, eahehaehah!

    Argh e nem me falem da mãe da Martha! Quem inventou aquela criatura?

    Lazarus Experiment foi bem interessante, tb gostei.
    E pensei que somente eu detestava o episodio da garotinha e do pai demoníaco no armário! Nossa! Pior que isso, só David Tennant correndo com a tocha olímpica… tive vergonha alheia ali.

    Tomara que o Gatiss faça um bom trabalho com esse epi.

    Responder

    • Bianca Cavani

      fevereiro 14, 2011 #12 Author

      Lucia, que bela e acurada análise de Love and Monsters! Põe no chinelo todos aqueles comentadores do Behind the sofa!

      M M M: Morte à Mãe da Martha! (e quando ela ficava mexendo naquele notebook, com pose de executiva bem-sucedida?)

      Só discordo quanto ao Tennant: adorei vê-lo correndo com a tocha olímpica e depois comendo bolo de banana com a Rose, naquela noite londrina perdida no tempo…

      Responder

      • Eddy

        fevereiro 14, 2011 #13 Author

        A cena dele correndo com a tocha criou até página no facebook de um movimento a favor de chamarem o David Tennant para acender a pira olímpica ano que vem.

        E sim, eu adicionei esta página hehe

        Responder

  • Nigths

    fevereiro 14, 2011 #14 Author

    *.* Mais alguém que também não gostou do episódio dos jogos olímpicos
    Quanto ao episódio do Lazarus Experiment eu não gostei nada do monstro…parecia um escorpião mais uma cabeça de uma pessoa que tinha ido á máquina de lavar e saiu aquilo..mas devo confessar que apesar de tudo é um dos meus episódio favoritos da 3 temporada. Eu AMO aquela conversa do fim entre o Doctor e o Lazarus sobre a idade e quilo do “some people lives more in 20 years than other in 80 it’s not time that metters is the person” ( desculpem lá o mau inglês xp)e que ele já estava cansado da luta e de perder todos os que são importantes para ele *-* AMEI

    Quanto ao “What Are Little Boys Made Of?” mudar de nome preferia muito mais o titulo original xp e ser comprido não acho, ele é grandinho mas á maiores como por exemplo : O dia em que a terra parou; o senhor dos anéis – as duas torres…, ou então este filme que tem um titulo PEQUENISSIMO “Noite de verão com perfil grego, olhos amendoados e cheiro de majericão”

    Responder

  • petraberg

    fevereiro 15, 2011 #15 Author

    Eddy, será que ainda encontro esta página? Mas acho que o tempo da imensa popularidade do Tennant já passou (não para mim, claro). Na época dos jogos olímpicos haverá outros ídolos, de repente até o Matt Smith…

    Nights, assisti a alguns filmes da Lina Wertimüller (gostei), mas este “noites de verão…” ainda não. Vou procurar. Um filme com um título assim é obrigatório, fala sério.

    Uau, Lazarus foi um monstro elaboradíssimo. E as ideias que foram discutidas neste episódio, a respeito da imortalidade, foram muito interessantes.

    Lúcia rocks!

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *