01 de janeiro de 2010, David Tennant estava em seus últimos momentos em cena em The End Of Time Part 2. Sozinho na Tardis,...

01 de janeiro de 2010, David Tennant estava em seus últimos momentos em cena em The End Of Time Part 2. Sozinho na Tardis, o 10º Doutor percebe que está prestes a regenerar…Simplesmente fala que não quer ir, enquanto ao fundo, uma música composta por Murray Gold, e cantada pelo tenor Mark Chambers é tocada…Vale Decem tem sua letra em latim, e foi originalmente traduzida para o inglês, antes de ter sua tradução em português nesse vídeo legendado…Enjoy.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=2Q83WWl4IEA]

Tradução original (latim-inglês)

RMVB Legendado

Universo Who

Publicações feitas por colaboradores que em algum momento fizeram parte da história deste site desde 2009, mas que não mais fazem parte do projeto.

  • José

    janeiro 18, 2011 #1 Author

    eu ainda não vi (verei agora!)
    muito obrigado, eu estava doido atrás de uma dessas traduzida.
    XD

    Responder

  • José

    janeiro 18, 2011 #2 Author

    (CTRL+C, CTRL+V do comentário do YT^^)

    Aiai, com a a legenda (agora eu sei o que cantam^^), fica ainda mais bonita. Muito obrigado Matheus!

    Eu só queria poder baixá-la; mas, quando eu faço isso, ela vem sem a legenda…

    Mas nisso eu dou um jeito aqui.

    Muito obrigado Matheus!

    (Já consideraram fazer o mesmo com “Evolution of the Daleks”? :D)

    Responder

  • Everson Vargas da Luz

    janeiro 18, 2011 #3 Author

    Queria tanto que tivéssemos uma série no Brasil que pudéssemos ter um evento como esse. Muito bonito!

    Responder

  • Lucas Gutemberg Tosta

    janeiro 18, 2011 #4 Author

    CARALH*, BONITO DE MAIS CARA! MEU DEUS! *—-*

    Responder

  • Rey N KaJ

    janeiro 18, 2011 #5 Author

    carakas nada contra mas sempre pensei que fosse uma mulher que cantava essa musica
    kkkkkkkkkkkkkkkk…o cara tem um otima voz

    Responder

  • Rey N KaJ

    janeiro 18, 2011 #6 Author

    ka entre nos, essas montagens que a bbc faz, de mesclar imagens da serie com os cantores ao vivo, sempre me da um frio na espinha de tanta emocao.

    Responder

  • Mica

    janeiro 18, 2011 #7 Author

    Eu acho esta música absurdamente linda…mas foi ótimo saber o que eles estão cantando.

    Responder

  • Vinny

    janeiro 18, 2011 #8 Author

    Essa música me deixa todo arrepiado.

    Queria tanto que tivéssemos uma série no Brasil que pudéssemos ter um evento como esse. Muito bonito! [2]

    Responder

  • Bianca Cavani

    janeiro 18, 2011 #9 Author

    Ai que ódio do Matheus! Fiquei com dois fios pretos escorrendo no rosto! Bem, na verdade eu devia ter comprado aquele rímel mais caro, à prova de água…
    Uai,o download não traz a legenda! Que ódio!

    => falando sério: AMEI! A letra é uma puta homenagem ao inesquecível Doctor Tenth.

    Responder

  • Recio

    janeiro 18, 2011 #10 Author

    Ainda chorando…. que bom que já tirei o meu rímel… rsrsrs
    Maravilhoso!!!! Muito obrigada, Matheus.

    Responder

  • Eddy

    janeiro 18, 2011 #11 Author

    A música é muito boa, mas ainda acho que a regeneração do décimo foi dramática demais….
    Afinal, nenhum Doctor anterior foi assim, especialmente o que veio logo antes dele, que regenerou sorrindo….

    Responder

    • Dimitri

      janeiro 19, 2011 #12 Author

      Só que o David ficou tempo demais vivendo o Doutor, a intenção deles foi de colocar todo mundo pra chorar mesmo kkkkkkkkkkkkkkk!

      Responder

      • Eddy

        janeiro 19, 2011 #13 Author

        Sim, mas se for por isso, olhemos a série clássica: o quarto Doctor ficou por MUITO tempo e é o mais lembrado, mas ele também regenerou sorrindo.
        Nenhuma encarnação do Doctor sentia medo da regeneração, para todos era algo normal que, um dia, ia acontecer.

        Claro, a personalidade do décmo podia ser um pouco diferente e mais dramática, mas acabou ficando exagerado, mais um pouco e seria uma paródia do Doctor…

        Responder

        • Matheus Carvalho

          janeiro 20, 2011 #14 Author

          Nenhuma regeneração havia sido tãao dramática, o mais perto disso, foi quando o Doutor regenerou do 5º pro 6º, mas não pela forma que aconteceu, e sim porque tanto o 5º quanto o 10º regeneraram porque salvaram um companheiro…O 5º deu o antídoto do Espectrox pra Peri e acabou morrendo…O 10º entrou na cabine e recebeu toda a radiação pra salvar o Wilfred…

          Responder

      • CHESMO SC (Trust-me I’m a Doctor)

        agosto 25, 2013 #15 Author

        A do 5º Doctor foi dramática também, tipo ele carregando a companion no “deserto” em quanto morria ai caiu sentindo dor, claro que ele não teve medo de se regenerar, mais, teve drama…
        Só achei exagerado o fato de ser mesmo tipo de regeneração pra o 9º e o do 10º e a TARDIS ter quebrado…

        Responder

  • Fabiola

    janeiro 19, 2011 #16 Author

    essa música é linda, o coral, juntamente com o vídeo é mto emocionante e triste!
    O “I don’t want to go” do Ten sempre parte meu coração!D:

    Responder

  • Bianca Cavani

    janeiro 19, 2011 #17 Author

    Recio: me diga qual a marca do seu rímel, filha. Cansei de passar vexame com o meu…

    Eddy: você não está considerando na sua análise o efeito da catarse. “Tipo”, Édipo é popular até hoje, milênios depois. É o drama que a gente nunca esquece. Quanto às comédias, esquececemos num zerésimo de segundo…
    Outra coisa, mate, a despedida do Doctor 9 não teve nada de alegre. Eu, pelo menos, amaldiçoei o meu rímel por muito tempo.
    Mas, como você sabe, o embate de opiniões faz progredir o conhecimento, além de nos divertir, e se algum dia todo mundo passasse a pensar igualzinho eu iria descer do trem.

    Responder

    • Eddy

      janeiro 19, 2011 #18 Author

      Um pouco dramático sempre vai ser, mas estou falando sobre as ações do Doctor próximo de regenerar, não do efeito da regeneração em nós. Ele ficou com raiva, depois começou a chorar e no fim estava sozinho na TARDIS falando consigo mesmo que não quer ir embora enquanto chora. Nenhuma outra encarnação dele agiu assim. O terceiro diz para a Sarah Jane não chorar, o quarto regenera sorrindo, o nono regenera sorrindo… Pode ver no post que fizemos ano passado sobre todas as regenerações.

      Responder

      • José

        janeiro 20, 2011 #19 Author

        Pode ser que eu tenha entendido errado. Mas nesses especiais, deu a entender que ele realmente morreria (é claro que nós sabíamos que não, que teria um 11º). Numa conversa com o vô da Donna ele diz algo do tipo “desta vez eu vou morrer”, por causa da senhara de Planet of the dead e do Ood (não foi ISSO, mas foi +- isso). bem, foi isso que eu entendi^^

        Responder

        • Eddy

          janeiro 20, 2011 #20 Author

          Talvez, mas eu não interpretei assim… Mas de novo, sobre outra encarnação: o quinto Doctor, ao regenerar, nota que a regeneração está diferente, que ele está sentindo algo estranho, e vem à mente dele a imagem do Master, mandando ele morrer e negar a regeneração, fazendo com que ele fique bem próximo de realmente desistir, mas ele fica em silêncio, não desesperado…

          Responder

        • Matheus Carvalho

          janeiro 20, 2011 #21 Author

          Era o que eu havia entendido também…Mas repare que mesmo depois do Ood Sigma falar: “Essa canção está terminando, mas a história não termina”. Como se dissesse, que a encarnação morresse, mas o Doutor não, ele continuou no mesmo nível de drama…

          Responder

      • CHESMO SC (Trust-me I’m a Doctor)

        agosto 25, 2013 #22 Author

        No fato do Doctor não querer ir já tinha acontecido na série na regeneração do 2º Doctor, ele disse, – não quero morrer, não não não não não….
        O do 5º Doutor teve drama claro que ele não chorou ao se regenerar mais no momento em que ele é atingido começa um drama….
        o primeiro, não teve tempo de reação assim junto com o 7º doctor…
        o terceiro tb não ele conversa e tudo mais não tinha como ele chorar e nem sorrir, pois ele já estava no final mesmo… não tava como o Tennant andando e tudo nete que quando a TARDIS surge ele logo cai, ou seja, não tinha tempo de reação nenhuma alem de conversar inconciente….

        Responder

  • Mica

    janeiro 20, 2011 #23 Author

    @Eddy Eu não tenho bem certeza, mas acho que inicialmente ele realmente achou que seria o fim, mas mesmo que não fosse, o Décimo foi o Doutor com mais pé na humanidade. Quero dizer, ele queria ser humano, ele amava a idéia, e talvez por isso regenerar fosse tão assustador e triste para ele, pois por mais que ele continuasse o mesmo na essência, ele mudaria, pois é sempre uma nova partezinha do Doutor que se manisfesta a cada regeneração.
    Mas o que eu achei legal foi que o Doutor que veio logo após o Décimo contrastou completamente com aquele chororô todo. O 11º é insano, alienígena e totalmente hiperativo.
    Confesso que fiquei louca da vida com o Décimo todo amuado com a regeneração (especialmente porque sofrer, eu sofri quando regenerou o Nono e não o Décimo), mas valeu pelas lágrimas e pela oportunidade de ver o contraste com o 11º. (só que ainda prefiro a regeneração do 9º para o 10º).

    Responder

  • Bianca Cavani

    janeiro 20, 2011 #24 Author

    O Doctor 10 conseguiu uma popularidade massive. A saída dele foi preparada com antecedência, com muito cuidado. Lembram-se, ele anunciou a saída quase um ano antes. Foi, como nosso bom Gabriel Garcia Marques diria, uma morte anunciada. A alta carga de emoção do último epi foi cuidadosamente estudada nos mínimos detalhes (no Confidential até abordaram o assunto). Receavam que muita gente desistisse de DW por causa da saída do Tennant: e não foi do nada que tiraram essa ideia, pois nos foruns li muito comentário de gente dizendo que ia deixar de assistir por causa disso.
    Não é abasolutamente o meu caso, porque acima de tudo eu adoro a série e todos os Doctors passados, presentes e futuros. Mas tenho de admitir que foi por causa do Chris e do David que me tornei uma fã tão entusiasmada (ah, fissurada mesmo, não vou minimizar); e, se eu tivesse começado a assistir a partir da 5a. temp., não seria assim tão alucinada por DW.
    Sério: Russell, Chris, Rose, Cap. Jack, Lady Christina, etc;, os epis da biblioteca (de Moffat), os anjos, os epis de Satan Pitt, as histórias que rolaram a respeito do Bad Wolf, aquele epi em que uma forma de vida rouba a voz de DW, a despedida de Tennant e muito, muito mais, me deixaram completamente encantada, de um jeito que dificilmente se repetirá. Bem que eu queria que se repetisse. E até foi bom que eles saíram da série, porque, assim, nunca lembrarei de qualquer tipo de declínio no que concerne a eles.
    Mas agora são outra abordagem, atores (também ótimos), ano, Bianca, Universo Who… e allons-y pessoal: vamos curtir a Era Moffat-Matt Smith, que tá muito boa!

    Responder

    • Eddy

      janeiro 20, 2011 #25 Author

      Não estou negando a importância do décimo Doctor e a vontade de dar um fim digno, o problema é que este “fim digno” deixou de lado qualquer continuidade na personalidade do Doctor em relação à regeneração.
      Até mesmo o próprio décimo Doctor já chegou a comentar em casos onde ele estava ferido que, se ele fosse morrer, ele mudaria completamente, se tornando outra pessoa. Mas falou isso de uma forma calma, não tão dramática quanto no End of Time. Como o Matheus disse em outro comentário: mesmo depois do Ood Sigma deixar claro que ele mudaria mas não morreria por completo o Doctor ainda continua em um estado de nervos à flor da pele, chorando um monte no último segundo antes da regeneração, quando já viu a energia regenerativa na mão, sinal de que mudaria de novo mas sobreviveria.

      Responder

  • Bianca Cavani

    janeiro 20, 2011 #26 Author

    Eu acho que aquele “eu não quero ir” foi muito mais uma satisfação que os produtores estavam dando para os fãs. Pois, de fato, como você bem colocou, o Doctor nunca esteve nem aí para a morte, sempre disposto a se sacriicar pelos outros, etc., até porque ele sabe que vai regenerar.Mas entende o meu ponto? Aquela cena de despedida foi dirigida a nós – uma licença poética à personalidade do Doctor.
    E o Tennant, nesta cena, brilhou mais que aquela explosão que sai do Doctor quando se regenera… “Tipo”, foi escrito para Tennant ganhar todos os prêmios, e “segurar” os fãs para a nova era, “tipo”, “estou indo mas queria ficar com vocês”.
    Não consigo pensar em outra razão para essa distorção na personalidade do Doctor. Se foi erro de continuidade (no sentido de coerência de personalidade) não foi involuntário, mas sim muito consciênte, por um objetivo muito específico, voltado para os fãs.

    Responder

  • Recio

    janeiro 22, 2011 #27 Author

    Não acho que tenha sido uma distorção de personalidade dele. O Doctor sempre se preocupa com as pessoas ao redor dele e em todas as regenerações ele tinha alguém com quem se preocupar (com exceção do filme quando ele estava incosciente). Acho que o fato dele se regenerar sorrindo era mais uma forma de não deixar as pessoas ao redor dele tristes e você pode perceber isso claramente na despedida dele com a Rose, onde ele sorriu para não assustá-la.
    Quanto o Tenth regenerou ele estava sozinho e solitário e podia falar coisas que ele nunca dira aos seus companheiros.
    Chorei mesmo, assisti de novo depois do post e chorei ainda mais sabendo o que dizia a música.
    E estava sem rímel, não exite um que resita…..

    Responder

  • Bianca Cavani

    janeiro 22, 2011 #28 Author

    É mesmo Recio: quem pode saber o que está no íntimo do Doctor quando está morrendo? Para as pessoas ele mostra o seu lado público, mas e o que está lá no íntimo?
    Certo, ele sabe que não é o fim definitivo, mas também sabe que voltará com uma nova maneira de ver as coisas, que estabelecerá novos afetos, e que os antigos provavelmente mudem de intensidade, uma nova forma física, através da qual as pessoas o verão, etc.

    Responder

  • petraberg

    janeiro 23, 2011 #29 Author

    Recio, por falar em ninguém resiste, e o final dos epis da biblioteca, com River morrendo e dizendo aquelas coisas lindas e o Doctor no chão com aquele olhar arrasado? E, nem preciso lembrar, a despedida de Rose e Doctor. Nossa, o Russell sabia como contar uma história inesquecível..

    Responder

    • Recio

      janeiro 23, 2011 #30 Author

      É exatamente isso que eu estava pensando, Bianca e ele deixa isso bem claro no especial de Natal quando diz que literalmente não sabe quem é, além do fato de ser o Doctor. Tudo é diferente.
      Petraberg, nem me fale. Essa é uma série com uma carga emocional tão alta que só fui perceber que era um show para “crianças” quando fui pesquisar sobre ele depois de ter assistido metade da 1ª Temporada. (E ainda não me convence).

      Responder

  • petraberg

    janeiro 23, 2011 #31 Author

    Recio, é que são “crianças-adultas” do UK.

    Recio/Bianca: entrando na conversa, algumas vezes o Doctor falou alguma coisa sobre o que é a mente de um timelord. Para ficar em um só exemplo, quando, nos epis da biblioteca, o Doctor disse que a menina não avisou sobre o problema porque ela tinha 4 mil pessoas na cabeça, e que isso seria mais ou menos o que era a mente dele. Então, conluindo, “há mais complexidade na mente do Doctor do que sonha a nossa vã filosofia…”

    Responder

    • Eddy

      janeiro 23, 2011 #32 Author

      Essa história de 4 mil pessoas na mente dele também pode ser uma referência a um livro da série, onde o Doctor baixa as memórias de todos os Time Lords contidas na Matrix de Gallifrey, implantando esses dados no próprio cérebro até reconstruírem a Matrix (se eu não me engano é em uma das guerras que o oitavo Doctor enfrenta nos livros, que destruiu Gallifrey antes da Time War – não pergunte como o planeta voltou…)

      Responder

  • Recio

    janeiro 24, 2011 #33 Author

    Concordo com vocês, petraberg e Eddy. Não só na Biblioteca, mas ele fala da complexidade da própria mente em Rose e Parting of the Ways, quando ele fala de sentir a rotação da Terra e quando diz que consegue ver todo o tempo e espaço, tudo o que é, foi e poderia ser (isso poderia estar se passando pela cabeça dele quando disse que não queria ir, talvez, as possibilidades perdidas dessa “encarnação”).
    Esse é o problema com os outros materiais sobre a série, Eddy. Você não pode levar em consideração as informações dos livros e dos spinoffs já que a própria produção da série não os considera cannon (vale lembrar o episódio de The Sarah Jane Adventures qdo ele diz que pode regenerar 500 e bolinhas de vezes), o que é uma pena, porque existe muito material bom…….

    Responder

    • Eddy

      janeiro 24, 2011 #34 Author

      Há material extra considerado canon sim, mas não tudo. A grande parte das histórias em quadrinhos além dos audio dramas são considerados canon, além de alguns livros. Por exemplo, a guerra dos Time Lords contra uma raça misteriosa chamada The Enemy (guerra chamada “The Second War in Heaven” – “A Segunda Guerra no Paraíso” em tradução livre) que acontece em vários audio dramas do oitavo Doctor foi endereçada pelo próprio Russel T Davies em 2006 (ou 2007, não recordo agora), mostrando que ele provavelmente a considera canon (ele a comentou explicando que esta guerra e a Última Grande Time War são guerras diferentes, ao contrário de várias expeculações por parte do público), sem falar que, em uma história em quadrinhos (tem aqui no blog, mas não recordo o nome) o décimo Doctor, depois de parar de viajar com companheiros, começa a falar consigo mesmo, o décimo primeiro Doctor comenta à Amy que começou a falar consigo mesmo depois de viajar sozinho por muito tempo.

      Responder

  • Bianca Cavani

    janeiro 24, 2011 #35 Author

    Eddy: tudo isso que você escreveu me fez pensar em como o material de DW é fértil: gera uma incrível multiplicidade de possibilidades, reflexões e interpretações, sem falar na longevidade. Aliás, este é o critério para se dizr que uma obra artística é boa.
    Mas então essa história da memória dos timelords/Matrix ficaria incoerente com o fim da 4a. temp., digo, os especiais de 2009, porque lá o Doctor 10 diz que foi ele quem destruiu Galifrey, para evitar aquele lance megalomaniaco do Rossilon (eliminação básica do Tempo-Espaço). Se bem que, em ficção científica, tudo é passível de se dar um jeitinho).
    Falando nisso, eu estava esperando (e torcendo para) ser desenvolvida aquela teoria da Timelady do reboot (e que voltasse Galifrey, etc.). Será que não vai?

    Recio: foi justamente esta cena em que o Doctor 9 diz aquelas coisas sobre a rotação da Terra, etc., que me tornou eterna e irremediavelmente fã de DW. Foi absolutamente deslumbrante!

    Responder

    • Eddy

      janeiro 24, 2011 #36 Author

      Na verdade, houveram duas ‘destruições’ de Gallifrey. Uma onde o Doctor estava do lado dos Time Lords, onde o planeta foi pro saco mas a raça sobreviveu e a memória deles ficou com o Doctor, e a outra foi a destruição pelas mãos do Doctor na Last Great Time War.
      Ainda não houve explicação sobre como o planeta voltou depois da primeira destruição.

      Sobre Gallifrey voltar, eu ando desde Big Bang com uma ideia na cabeça, mas duvido que aconteça. Seria o seguinte: as rachaduras foram destruindo o universo, voltando no tempo inclusive, chegando a um ponto onde poderiam tirar a barreira que tranca a Time War como um ponto fixo, a partir de onde algum Time Lord mais observador poderia perceber que tudo estava acabando e que a guerra estaria “destravada” e fugiria. Mais tarde, quando o Doctor deu o reboot, a memória da Amy junto com sua mente ‘superior’ (influenciada pelas rachaduras) trouxe o Doctor de volta, a partir de quando o tal Time Lord fujão poderia ver a TARDIS do Doctor (ou até o próprio Doctor) em Gallifrey e recobrar as memórias, assim como Amy e Rory recobraram as memórias de quando estavam com o Doctor. Como este Time Lord tem também as memórias da Time War de volta, ele poderia (a) fugir antes de tudo acontecer ou (b) alertar o/a Lord/Lady President (provavelmente Lady President, já que no começo da Time War a Romana ainda era Presidente de Gallifrey) para tomar medidas preventivas e evitar essa catástrofe.

      Responder

  • Bianca Cavani

    janeiro 24, 2011 #37 Author

    a) Ah, entendi. São dois episódios diferentes na história de Gallifrey. A explicação poderia dar uns bons roteiros.
    b) Bem legal essa sua ideia, coerente, ligando com lógica todos os pontos, e usando as rachaduras, que é uma criação de Moffat na 5a. Os caras da BBC precisam conhecer você.
    Eu adoraria que voltasse Gallifrey e a personagem Romana. Tenho vários vídeos com ela e o Doctor Tom Baker, mas não assisti a nenhum dos episódios com ela (só com Baker). Estou esperando o nosso bom amigo Matheus…

    Responder

  • Gabriela

    dezembro 20, 2012 #38 Author

    Linda. Chorei muito. Quero ver agora como será a despedida do Matt Smith (um pouco doente da minha parte já pensar na despedida do Matt, mas quero ver se será tão emocionante, tão triste e tão magnífica como foi a do Tenth, sem falar do drama).

    Responder

  • Fabi

    agosto 20, 2014 #39 Author

    Pena que a BBC tirou do ar 🙁

    Responder

  • Lucas de Souza Oliveira

    julho 3, 2015 #40 Author

    Por tudo quanto é mais sagrado, vocês poderiam reupar ou colocar pra download em outro link?

    teriam minha ETERNA gratidão.

    Responder

    • Gabriella Lemos

      julho 5, 2015 #41 Author

      Vale Decem faz parte da trilha sonora dos especiais da quarta temporada,só dar uma olhada lá!

      Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *