Desde o teaser no fim do episódio passado, Listen prometia ser um episódio muito assustador. No fim, foi mais do que isso: apresentou...

listen-promo-pics-2

 

Desde o teaser no fim do episódio passado, Listen prometia ser um episódio muito assustador. No fim, foi mais do que isso: apresentou um vislumbre do passado do Doctor de uma significância na qual os roteiristas raramente se arriscam a explorar. O diferencial deste episódio se mostra logo na sequência de abertura, que mostra o Doctor em um solilóquio sobre a possibilidade da existência de uma criatura com uma capacidade perfeita de se esconder, e de a percebermos inconscientemente quando falamos sozinhos. Não é o monstro que aparece no caminho, é o próprio Doctor que vai atrás dele dessa vez. É interessante notar como, nessa temporada, não houve duas aventuras que se seguiram imediatamente, o que indica que o Doctor está viajando sozinho parte do tempo.

Esta dinâmica de companion on/off permite que a vida pessoal da Clara seja desenvolvida. Continuando a relação com Danny iniciada em Into the Dalek, este episódio trouxe fortes indicações sobre o futuro da companion na figura de Orson Pink que, ao que tudo indica, é descendente de Clara e idêntico a Danny. Orson é apenas uma parte da narrativa; anteriormente, o pequeno Danny, que na época se chamava Rupert, aparece em um orfanato atormentado por uma misteriosa criatura escondida embaixo de seus lençóis. Inusitadamente, esta cena nunca é explicada: com o fim do episódio trazendo em cheque a existência real desse monstro, não se sabe o que estava lá embaixo. Talvez, como Clara indica, tenha sido apenas outra criança.

Tanta ambiguidade narrativa pode incomodar parte dos espectadores, mas com a chegada da última cena, todos os fios narrativos que ficaram pendurados (a forma no lençol, as batidas na porta da nave) se tornam desnecessários. Nesse momento, é revelado o tema principal da história: o medo. Definitivamente um dos grandes momentos de toda a série, é mostrado um momento da infância do Doctor, chorando em um celeiro (o mesmo que o War Doctor visita em The Day of the Doctor) pois não quer se tornar um soldado. Quando Clara percebe que a busca no qual estavam era motivada por um medo decorrente de um acontecimento que ela mesma provocou, a companion se vê na posição de consolá-lo como ela havia feito há pouco com Rupert e usando as palavras que o Doctor havia dito a ela

E é aí que percebemos o real escopo da importância de Clara na vida do Doctor. Ela não apenas o acompanhou a vida toda e o convenceu que havia outra maneira de terminar a Time War que não o genocídio, mas também o inspirou a ser quem ele é mais profundamente. Não haveria Doctor se não fosse por Clara. Megalomania do Moffat a dar tanta importância para sua companion? Talvez, mas a cena é maravilhosa de qualquer jeito. Dan, o soldado sem arma, se relaciona com o Doctor desde a primeira vez em que aparece, mas no fim, há uma relação fundamental entre os dois. Isso também desenvolve o asco do Time Lord por figuras militares, que sempre andam, ao contrário dele, armadas.

Deve-se destacar também a excelente fotografia do episódio, repleto de sombras em todos os momentos. Muito foi dito sobre o quanto esta temporada está sombria, e esse episódio levou essa característica ao pé da letra.

Um dos episódios mais arriscados das últimas temporadas (não há um vilão!), Listen foi um maravilhoso estudo sobre a psique do Doctor. Viajando sozinho, é fácil deixar o medo tomar conta. Mas afinal de contas, o medo é um superpoder, e, desarmado, ele continua sendo um grande herói.

 

Universo Who

Publicações feitas por colaboradores que em algum momento fizeram parte da história deste site desde 2009, mas que não mais fazem parte do projeto.

  • Demetrius Abreu

    setembro 19, 2014 #1 Author

    Esse foi o melhor episódio até agora. Tirando o primeiro episódio que foi de apresentação do novo Doctor, os outros foram muito parados e sem propósito algum, na minha humilde opinião, tirando a parte em que mencionarem a Terra Prometida ou a participação da Missy, que causa uma curiosidade, mas nada comparado ao mistério sobre a River Song e sobre a Clara. Eu vejo muito essa temporada como a 1a temporada, de 2005, com o Eccleston, quando os episódios eram uma história isolada que só se ligava pela menção ao Bad Wolf, mas que só se desenvolve de fato nos últimos episódios da temporada. Pra mim, a 1a temporada é a menos interessante e demorei muito pra poder vê-la. Quase desisti de ver a série pela forma como ela se desenvolveu. Ainda bem que dei uma segunda chance. Já pensou eu ter uma vida sem saber o quanto Doctor Who é a melhor série do mundo inteiro e de todos os tempos? rs Tô adorando o Capaldi como Doctor e a Jenna tá evoluindo muito na sua atuação, que já era muito boa desde o começo. Além disso, a Clara é a primeira companion que não quer largar a vida dela em prol de viver aventuras com o Doctor e achei isso muito legal. A cena da Clara no celeiro foi linda e mais uma vez ela está lá para salvar/ajudar o Doctor de alguma forma.

    Responder

    • Matheus Freitas

      setembro 19, 2014 #2 Author

      Eu gosto da 1º Temporada, umas das minhas temporadas favoritas, Rose,Jack,Mickey,Jackei(nao lembro o nome), nesse temporada que comecei a assitir!

      🙂

      Responder

  • who

    setembro 19, 2014 #3 Author

    steven moffat não pode sair de docto who tudo que ele escreve é maravilhoso.Esse episodio deixou muita gente de nuca arrepiada.

    Responder

  • Djonatha Geremias

    setembro 19, 2014 #4 Author

    Esse foi o melhor review que eu já li até agora. O mais sensato pelo menos, e olha que já li diversos, inclusive de sites estrangeiros, e ouvi alguns podcasts. Parabéns, Vinícius. Concordo com cada vírgula. Sempre fui um crítico impiedoso da Clara, não por mimimi, mas por análise de personagem mesmo. Realmente fiquei empolgado quando ela se jogou na linha do tempo do Doctor, imaginando que, dali para frente, ela sempre retornaria em ecos, com personalidades e histórias diferentes, todas as versões “fadadas” a morrer pelo Doutor… Que nada, ficou na mesmice. Já agora, ela tem se mostrado muito mais humana, indo ao limite do bom senso, perdendo a calma, isso é ótimo quando ela transforma essas perdas de razão em experiência e maturidade! Já o Doutor, nem preciso comentar 🙂

    Responder

    • Vinícius Spanghero

      setembro 19, 2014 #5 Author

      Obrigado pelos elogios, Djonatha 🙂

      Responder

    • Raphael

      setembro 19, 2014 #6 Author

      Eu pensei muito sobre ela ter se jogado na linha do tempo dele mas, como ela não encontrou o 12º, eu concluí que o Moffat brinca com a linha do tempo da história mais do que a gente percebe. Afinal, naquele instante, o Doctor morreria como 11º e não vamos esquecer que foi a Clara quem solicitou ajuda aos Time Lords de Gallifrey e estes deram mais um ciclo regenerativo ao Doctor. O que nos leva ao maior paradoxo criado pela Clara. Ao garantir ao Doctor mais um ciclo, não haveria um túmulo do Doctor em Trenzalore, fazendo com que a Clara não aparecesse mais para salvar o Doctor no decorrer de suas vidas.

      Responder

      • yan

        setembro 20, 2014 #7 Author

        na verdade não, porque o tumulo em trenzalore nao era um corpo era a time line do doutor, e so porque ele tem mais um ciclo regenerativo nao significa que ele nao vai morrrer , entao ele ainda pode morrer em trenzalore.

        Responder

      • Dougahkin

        setembro 20, 2014 #8 Author

        Porque não haveria mais o túmulo em Trenzalore? O Doutor tem mais um ciclo de regenerações, mas ele vai acabar um dia e ele vai morrer definitivamente. E vai ser enterrado em Trenzalore, simples assim.

        Responder

      • erik

        setembro 21, 2014 #9 Author

        talvez a linha temporal do doutor q vemos em the name of the doctor tenha sido aberta quando ele se regenerou, pois com aquele explosao de energia regenerativa, a rachadura na parede pode ter explodido junto e captado parte da energia de regeneraçao dele, criando uma fenda na linha temporal do doutor…

        Responder

      • Lucas Inacio

        setembro 21, 2014 #10 Author

        mano pra mim paradoxo mesmo é o doctor ter entrado na própria linha temporal para salvar a clara. Quem entra na linha temporal dele pode fazer alterações em toda sua vida, e ele próprio entrou. não sei se ele fez, mas isso é que nem ter a caneta e o papel de sua própria história. Pensa só nisso.

        Responder

  • Lucas Colombo

    setembro 19, 2014 #11 Author

    Eu estou junto com o grupo que acha uma megalomania sem tamanho do Moffat ter feito uma cena como essa, por mais bonita que ela tenha sido. Coloca em cheque TODOS os outros doutores, de uma forma absurda. Mexer com a timeline no doctor é tenso demais, porque agora temos um item – o boneco que a Clara deixa pra ele – que tem uma importância sentimental gigantesca pra ele que NUNCA apareceu e NUNCA foi comentada em cinquenta anos de série.
    Mas o que realmente não me sai da cabeça é como a Clara conseguiu voltar pra Galiffrey, nessa mesma cena final. Ela não tava trancada na bolha temporal? A Clara burlou o sistema? Ou é mais uma das gafes do Moffat?

    Responder

    • Vinícius Spanghero

      setembro 19, 2014 #12 Author

      Realmente é uma questão complexa essa de voltar para Gallifrey. Tem um artigo muito bom (em inglês) do Doctor Who TV teorizando sobre – http://www.doctorwhotv.co.uk/making-sense-of-listens-gallifreyan-gallivant-66774.htm

      Responder

    • Matheus Freitas

      setembro 19, 2014 #13 Author

      Eu acho, que ela conseguiu entrar, em Galiffrey , por causa da linha do tempo do Doutor, e a eu acho, nao tenho certeza, que ainda nao tinha A Guerra Do Tempo, ou algo assim, nao sei. :/

      Responder

    • Lucas Colombo

      setembro 19, 2014 #14 Author

      Hm, eu não sei. Gostei do artigo, mas ainda deixa muito coisa no ar.
      Ele diz que são os eventos da Guerra do Tempo que estão travados, e não Galiffrey em si, e o Doctor não vai até lá por sentimentalismo. Então por que não aparece nenhum outro Timelord com outra TARDIS viajando por aí? Segundo isso, ele poderia ter saído antes do começo da Guerra e estar por aí ainda.
      Eu espero que role uma explicação, de verdade ;/

      Responder

      • GABRIEL

        setembro 20, 2014 #15 Author

        Quanto a outro Timelord, não foi isso que aconteceu com o master?

        Responder

      • Matheus Freitas

        setembro 20, 2014 #16 Author

        Igual aquele amigo dele, que foi morto pela “casa” , Naquele Asteroide, onde a Tardis, entra na Idris, né?
        Ou o Mestre, mais acho que outros Time Lords, lutaram na guerra como O Doutor, ou senão, esses outros ja se foram… :/

        Responder

      • Peter

        setembro 25, 2014 #17 Author

        nenhum outro Timelord esta por ai pelo simples fato da lei de interferência de Gallifrey. Só renegados como Rani, Master e Doctor, desrespeitavam ela. E renegados não tem tem acesso a Tardis, as deles são roubadas, se não me engano. Na série clássica tinham os que não ficavam em Gallifrey, mas dá pra se presumir que com a Time War todos voltaram pra auxiliar nos campos de batalha. Não foi isso que o Doctor fez? Eles podem ser renegados, mas deviam ter um senso de honra, sei lá.

        Na verdade essa time-lock é um erro bem chatinho do RTD. Por que como o Master teria sido capaz de fugir de Gallifrey, sendo que ela impedia isso na Time War?

        Responder

    • yan

      setembro 20, 2014 #18 Author

      simples, porque a time war esta bloqueada e nao galiffrey, e alem do mais, o doctor salvou galiffrey em the day of the doctor , entao a bolha nao existe mais , e se ainda nao estiver convencido basta lembrar do final da 4 temporada onde um dos 3 daleks ( acho que dalek caan) quebra essa bolha.

      Responder

      • Filipe

        setembro 20, 2014 #19 Author

        Acho que deve ter alguma regra em Gallifrey que diz “não volte em sua própria linha do tempo!”. Afinal, é o planeta dos viajantes do tempo.
        E a guerra do tempo estava mesmo bloqueada, não sei se a timeline de Gallifrey também. Provavelmente a timeline pós-guerra estava(está), e o Doctor não pode voltar para o planeta do passado por causa dessa possível regra.
        Não sei vocês, mas eu acho que isso é o que melhor explica.

        Responder

    • Lucas Colombo

      setembro 20, 2014 #20 Author

      Bom, eu acho que não foi bem assim. Foi uma complicação enorme todas as vezes que eles tentaram quebrar a bolha do tempo, e caso não lembrem voltem lá e assistam os últimos episódios da terceira temporada. Acho que não estão lembrando de como foi maluca a explicação de como o Mestre conseguiu se manter fora da bolha do tempo, e do plano mais maluco ainda de quase trazer os outros Senhores do tempo que estavam lá.
      A bolha não foi quebrada pelo Davros, ela só foi burlada. A timeline inteira de Galiffrey está dentro a bolha do tempo, ou é por acaso de nenhum vez o Doutor quis voltar pra terra natal dele?

      Responder

    • Lucas Colombo

      setembro 20, 2014 #21 Author

      Filipe, you’re a genius, really.
      Eu não tinha pensado nisso, e realmente faz muito sentido. Bacana, gostei!

      Responder

    • João

      setembro 24, 2014 #22 Author

      Particularmente eu não achei que a Clara conhecer o Doctor mexeu tanto assim com a timeline dele. Ela só consolou uma criança que tava chorando, oras. Se fosse a Donna ou Sarah Jane ali, fariam a mesma coisa. E o monólogo dela transmite a forma que ela vê o Doctor, ele influenciou ela a influenciar ele (Whibley wobbley). Todas as vezes que a Clara foi uma “heroina” esse elemento foi usado: Pedir pra não queimar Gallifrey, pular na timestream, conseguir o ciclo de regenerações…
      Quero dizer, no fim, a maior influência do Doctor é ele mesmo.

      Também não vejo como um boneco pode afetar a narrativa, a gente nunca viu NADA da infância do Doctor, que diferença faz? E bem, “Fear makes companions of all of us” é uma frase do 1st, acho que isso já basta.

      Quanto a gallifrey, a teoria de que só a Time War tava bloqueada faz sentido. Afinal, se fosse toda a história do planeta, como Valeyard surgiu na época do 6th? ele não surgiu depois do 12th?

      Responder

    • eduvbs

      novembro 15, 2014 #23 Author

      A Guerra do Tempo está travada em um time-lock (ou bolha), transformando em um evento fixo na história, isso pode ser explicado pelo episódio de “The Waters of Mars”. Como vimos no referido episódio do 10º, não importa o quanto se tente, um evento fixo não pode ser alterado mesmo com viagens no tempo e alterações nos eventos anteriores.

      A linha do tempo de Galiffrey está disponível pra qualquer um assim como o planeta marte, mas os eventos vão caminhar não importa como para a Guerra do Tempo, igual aconteceu em torno de Adelaide em que foi alterado de que todos morreram para 2 sobreviventes, mas ela morreu mesmo assim. Alguns citaram que o Mestre e os Daleks burlaram esse trinco, mas não foi bem assim, é explicado perfeitamente no “The Sound of Drums” que o Mestre fugiu antes que o trinco fosse posto e os Daleks do culto de Skaro não participaram da Guerra do Tempo diretamente, pois deveriam preservar a espécie a qualquer custo, se isolando naquela esfera. Só quem burlou o trinco foi a Bad Wolf, mas entendendo o seu status como entidade do tempo é perfeitamente aceitável.

      RTD não errou ao criar o Trinco do Tempo, na verdade foi necessário pra ão deixar pontas soltas mais comprometedoras, os Time Lords estavam desesperados e começaram a quebrar as próprias regras para vencer a guerra, eles iniciariam inúmeras viagens no tempo inconsequentes para tentar obter vantagens, como também os próprios Daleks o fariam. Assim como um bolo que vários interferem abrindo o forno, a linha do tempo iria “desandar”.

      Responder

  • Matheus Freitas

    setembro 19, 2014 #24 Author

    Episodio, bom, mais nao entendo uma coisa, alguem me explica?
    Nesse episodio, mostra, o ultimo planeta do universo, e o Orson, eu acho, e no episodio , “Utopia” , Da 4º temporada, onde Jack, Martha e o Doutor, vão, é o ultimo tambem, esses são o MESMO, Planeta? Isso eu nao entendi, e no episodio Listen, pela janela, da Tardis, ou da estação espacial , mostra o planeta de fora, so que esta alaranjado, como se estivesse Sol, Não entendi,
    Mesmo, assim, o episodio foi Brilhante!

    Responder

    • Matheus Freitas

      setembro 19, 2014 #25 Author

      Corrigindo: 3º Temporada* .
      /

      Responder

    • yan

      setembro 20, 2014 #26 Author

      nao, na verdade esse eh o ultimo planeta da raça humana, nao o ultimo de todos, e mesmo que foçe poderia ser apenas o ultimo planeta com vida, e no de listen não ha vida

      Responder

      • Filipe

        setembro 20, 2014 #27 Author

        Na verdade esse planeta foi mancada do Moffat.
        Ele aparece no episódio do fantasma (o Witch of the well, não lembro o nome), e é mostrado como sendo a Terra.
        Mas a Terra foi destruída pelo sol lá na 1a temporada (ep. 02), então não tem como esse planeta ser o último planeta com vida (já que o 02 da 1a temp. mostra que ainda tem bastante vida no universo).

        Só eu que achei o episódio chato e apelão?

        Responder

    • Tantariel

      setembro 20, 2014 #29 Author

      Eu entendi que quando se fala que é o último, seria um último sem comprovação, apenas que não existe quase mais nada e nem é possível confirmar se existe outros locais ainda com vida ou não.

      Responder

    • Matheus Freitas

      setembro 21, 2014 #30 Author

      Buguei :/

      Responder

    • Peter

      setembro 29, 2014 #31 Author

      Em utopia fala que aquele é UM dos últimos planetas sobreviventes. Em Listen já fala que aquele É o último planeta. Ali é o fim definitivo.

      Responder

    • eduvbs

      novembro 15, 2014 #32 Author

      Foi um erro do Moffat na minha opinião, em Utopia foi explicado que o universo estava morrendo pois todas as suas estrelas se apagaram, então é impossível haver um sol laranja. Se fosse um planeta sem luz qualquer, faria maior sentido, mas ele quis de qualquer forma introduzir o elemento da noite… Mesmo assim o universo não estaria totalmente inabitado, haviam Toclafane derrotados flutuando por aí ‘-‘.

      Responder

  • Jacintho

    setembro 19, 2014 #33 Author

    Listen… melhor episódio desse novo doutor até agora… denso, introspectivo, muito melhor que o anterior (muito engraçadinho pro meu gosto, com um Robin Hood de seção da tarde e um doutor atrapalhado e invejoso…). Peter Capaldi se mostra um doutor muito promissor, já estava me perguntando (com medo) se depois do Matt (de quem gostava muito) viria um doutor adolescente… este não, séculos de confusão nas costas… kkk

    Responder

  • Fernando

    setembro 19, 2014 #34 Author

    Vocês tem certeza que esse episódio não foi escrito pelo Alan Moore?

    Responder

  • Jacqueline

    setembro 21, 2014 #35 Author

    Na verdade eu acho que como a Clara pode voltar na linha temporal do Danny apenas por perder o foco em sua própria “Noite do sonho” imaginando os acontecidos da noite e relembrando-os,deduzimos que ela teve o mesmo “Problema” por sua atenção e preocupação estar com o foco no Doctor, isso acarretou na ida até o passado do Doctor, O que provavelmente não causou problemas temporais graças ao querido Wibbly Wobbly Timey Wimey, Afinal tem grandes chances de dizer que o doctor não seria quem é, sem esse ponto que creio que podemos considerar fixo, em relação ao boneco podemos dizer que o próprio doctor virou aquele boneco, um líder que não utiliza de armas, que faz do medo sua maior arma. O conceito do episodio em geral, eu achei que foi lindo.

    Responder

  • Abner

    setembro 22, 2014 #36 Author

    Deviam estar nas dorgas quando escreveram esse episódio

    Responder

  • Marina

    setembro 26, 2014 #37 Author

    Alguém me explica como os pais/tutores do doctor criança não viram a Tardis num celeiro daquele tamanho?

    Responder

  • Lily

    setembro 28, 2014 #39 Author

    Episódio chato e apelão, Filipe acaba de ganhar companhia. Eu, marido e filha terminamos com raiva.

    Responder

  • Horieber Oliveira

    outubro 1, 2014 #41 Author

    Bem, primeiramente, o review de vocês está perfeito, vocês descreveram perfeitamente todos os principais eventos do episódio sem deixar dúvida alguma, então não tenho problemas com vocês da equipe Universo Who, vocês sempre fizeram e fazem um ótimo trabalho.

    Agora a minha opinião sobre o episódio, foi legal, eu gostei da última cena, algo arriscado(como aquele bendito soldadinho de plástico) mas que foi tocante para nós fãs de Doctor Who. O único e grande problema que tenho com esses episódios que o Moffat faz, é o jeito dele direcionar tudo, eu acho tão enrolado as vezes, não é como antigamente na era do Christopher ou do David, que tinha o desenrolar da história durante o episódio, e não apenas no final, isso me incomoda e creio que incomoda muitos outras fãs de Doctor Who, principalmente os de longa data mesmo lá do Who Clássico.

    O que vejo é que o Steven Moffat brinca muito com a série, em todos os sentidos, muitas vezes em entrevistas que vi dele, ele sempre parece apenas se importar com o lucro que poderá ganhar com determinada ação que irá tomar em Doctor Who. Muitos fatos em certos episódios dele, você vê que fica meio no ar, ao mesmo tempo que parece ter conteúdo, também as vezes parece não ter. É raras as vezes que você vê o Moffat dar uma atenção séria, que foram casos a parte como os primeiros e últimos episódios da primeira parte da 7º Temporada, e também alguns episódios da segunda parte da 7º Temporada juntos a trilogia que esteve no final da mesma, embora que The Time of the Doctor eu achei muito parado, ainda mais por ser o último episódio com o 11º Doctor, quem não lembra do épico final do 10º Doctor?

    Enfim, o que tenho a dizer é que o Moffat não está dando tanto valor para o cargo que tem em mãos, ele está fazendo uma bagunça em muitos casos, colocando fatos sérios em risco, e se ele continuar assim pode acontecer uma grande desgraça com o nosso querido Doctor Who. Eu não tenho nada contra a série, eu amo Doctor Who, sempre acompanhei os episódios numa boa, acho divertido, aventureiro e dramático ao ponto certo, e sendo assim, tanto eu como todos nós queremos o melhor para a série, e na minha opinião, o Moffat não se encaixa para Doctor Who, ele é sim um grande roteirista, respeito isso nele, já escreveu para outros excelentes projetos, mas infelizmente para essa ele série não está dando muito certo, e eu realmente não gostaria de ver Doctor Who entrando em hiato novamente, por isso espero que em breve troquem o diretor e roteirista da série por alguém que dê mais atenção e leve a sério o cargo desse grande seriado que já está sendo exibido a mais de 50 anos.

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *