Estou escrevendo esta review ainda com lágrimas nos olhos. Mesmo tendo tomado um grande spoiler por decorrência de ter demorado 24 horas... Review – Face the Raven

face-the-raven-promo-pics-8

[Shh, spoilers]

Estou escrevendo esta review ainda com lágrimas nos olhos. Mesmo tendo tomado um grande spoiler por decorrência de ter demorado 24 horas para assistir ao episódio, o impacto da despedida de Clara Oswald não foi menor. Clara foi uma companion que existiu por toda a vida do Doctor, sendo responsável por mais momentos importantes na jornada do protagonista do que qualquer outra, e também representa a própria história do programa ao compartilhar do mesmo aniversário (23 de novembro ou hoje, se você está lendo no mesmo dia da publicação do post). É curioso que a comemoração deste ano seja tão triste.

Face the Raven, escrito por Sarah Dollard, traz um quebra-cabeça característico de filme noir, com um mistério de assassinato a ser resolvido através de interrogatórios pela cidade. No tradicional twist típico da série, a cidade aqui é uma rua camuflada no centro de Londres que abriga membros de dezenas de espécies alienígenas que buscam refúgio, governados por Me (Maisie Williams). Rigsy (Joivan Wade), que apareceu anteriormente no ótimo Flatline, também retorna para o episódio, sendo dessa vez acusado de ter matado uma alienígena e, assim, condenado à morte. Uma tatuagem em sua nuca faz uma contagem regressiva, com um fim fatal. Os elementos da narrativa de mistério são apresentados com um ótimo ritmo e, no fim, desenrolados em uma grande virada: tudo foi uma armação de Me, coagida por um partido ainda não indentificado, para transportar o Doctor para outro local. O plano, porém, não sai como o esperado, pois à Clara foi transferida voluntariamente a sentença de morte que era de Rigsy, com a esperança de que o cancelamento desta por Me resolveria toda a situação.

Com a revelação de que isto está fora do controle de Me, dá-se início à despedida que, ao meu ver, é a segunda mais triste da série moderna (Donna Noble, você se esqueceu mas a gente não). O arco da personagem conclui aqui uma tendência que se observava desde o começo da temporada. Com a morte de Danny Pink, Clara estava cada vez mais obcecada em se tornar igual ao Doctor, arriscando a vida a todo momento e adorando a adrenalina decorrente disso. Mesmo em Face the Raven, enquanto se dependura pela porta da TARDIS, ela grita entusiasticamente como quem pula de bungee jump na Nova Zelândia. Clara se sentia imortal. Sua morte, no fim das contas, não se dá por um sacrifício – ela tinha certeza que seu plano daria certo – mas de qualquer forma com uma aceitação e valentia perante o inevitável. Grande parte desta abordagem ocorre porque ela não quer ver seu melhor amigo sofrer mais do que o necessário.

Em seus últimos momentos, ela faz o possível para impedir a fúria de um Doctor em luto e, dessa forma, fazer com que ele não se esqueça da própria promessa de ser alguém que cura as pessoas. Assim como em The Day of the Doctor, Clara serve como uma âncora para o sofrimento dos pequenos indivíduos, como ela mesmo coloca próxima de seu fim: “Seu reino de terror terminaria com o choro da primeira criança”. O fim chega a ser chocante. Com os braços abertos, pose típica da regeneração de um Time Lord, Clara é atravessada pelo corvo e sua dor é mostrada em slow motion. Somos forçados a olhar de frente o que o próprio Doctor vê apenas pelas costas. O teor gráfico da morte chegou, inclusive, a causar certa controvérsia no Reino Unido dado o horário de exibição.

Capaldi, Coleman e Williams estão no ápice de suas performances. A terceira aparição de Me traz a personagem mais uma vez modificada, carregando o peso da responsabilidade por toda uma população, e o fardo da vida eterna é transmitido corporalmente por Williams com muita competência. No clímax da trama, os olhos pesados e vermelhos de Capaldi dão ao momento uma tristeza potencializada e Coleman permanece à altura na canção do cisne de sua personagem. A música tema de Clara, composta por Murray Gold, é o terceiro elemento que imortaliza a sequência como uma das mais inesquecíveis da série.

Face the Raven se liga diretamente à última história da temporada, dividida em dois episódios. Será muito interessante ver como o Doctor lida com o que acabou de acontecer e se cumprirá a sua promessa de não exercer vingança. Quem será responsável pela armadilha que vitimou sua melhor amiga e o levou para um destino desconhecido. Seriam os Time Lords? Gallifrey finalmente será encontrada? Saberemos semana que vem, quando finalmente pararmos de chorar.

Universo Who

Publicações feitas por colaboradores que em algum momento fizeram parte da história deste site desde 2009, mas que não mais fazem parte do projeto.

  • Natalia

    novembro 23, 2015 #1 Author

    Adorei esse texto, muito bem escrito e muito bem pontuado tudo o que aconteceu no episódio… Eu não sei como deixar a tristeza que a morte da Clara causou… Admito, eu fiquei feliz sobre a saída dela, achei que a interação entre ela e o Doctor não funcionou muito bem na 8ª temporada, coisa que foi muito bem consertada nesta atual… Aí, as coisas começam a funcionar, depois, eles tiram a Clara desse jeito… Nunca chorei tanto assistindo ao Doctor Who… Acho que só chorei assim, na saída da Amy e do Rory… Enfim, ótimo texto e ótimo episódio e nunca pensei que seria tão dolorida, a saída da Clara!

    Responder

  • erivan

    novembro 23, 2015 #2 Author

    Episodio triste, mas ao mesmo tempo belo. Ainda não caiu a ficha que ela morreu, eu achei que o docto daria um jeito, mas ele não deu. Não se pode enganar a morte, mas pode confronta-la como a Clara fez. Adeus garota impossível.

    Responder

  • Herege

    novembro 23, 2015 #3 Author

    Achei que me chocaria mais com a saída da Clara, mas quando ela propôs aquele plano insano para o Rigsy eu já percebi que iria dar merda. Não curti muito ela se arriscar por um estranho só pq ele tinha família, a Clara tinha família tb e não pensou nela.

    Responder

  • Demetrius

    novembro 23, 2015 #4 Author

    Moffat afirmou que a saída da Clara seria um grande evento. Não consegui ver o ocorrido dessa forma. Foi uma morte “boba”. Ok, foi uma consequência das atitudes sem pensar que a Clara estava tomando e tudo por conta do Danny Pink que, na minha humilde e desimportante opinião, foi uma péssima influência pra ela, inclusive depois de morto, mas isso é um outro assunto. Pra mim a despedida da Clara foi muito rasa, rápida e não me tocou, nem com os discursos de despedida… Lembro-me que na despedida dos Pond eu me emocionei desde a primeira cena e daí em diante foi só sofrimento. Preferia que a Clara tivesse dado tchau no especial de Natal. Ali sim, foi um negócio de acabar com o coração da gente e com uma referência mais emocionante ainda do Eleventh.

    Responder

  • Mateus Sobral

    novembro 23, 2015 #5 Author

    Esse foi um dos melhores episódios da 9° temporada, porém achei a saída da Clara meio que fraca, tipo foi um acontecimento tão comum, achei que teria tipo um foco mais marcante, mais de todo jeito foi ótimo o episódio, mais agora o foco é saber quem armou toda essa cilada, tipo na hora que a EU falou sobre o Disco de confissão, meio que eu lembre da Missy, mais depois vi que não tinha nada a ver. Mais o próximo episódio promete em!, como será um episódio com o Doctor furioso e em Luto?. Esperando ansioso.

    #R.I.P Clara

    Responder

  • Thiago

    novembro 23, 2015 #6 Author

    clara foi muito boa como companion, ela era uma das minhas preferidas, e acho que foi uma das primeiras da serie atual que morre mesmo de companion (não lembro muito bem posso ta enganado) a rose foi enviado para outra dimensão, donna esqueceu do doctor e amy foi enviada ao passado junto com rory, todas ficaram vivas.
    Vai que ela não volta né, já que ela é a garota impossivel.
    agora que a clara saiu vai vim o escuro (entenderam????).

    Responder

    • Thiago

      novembro 23, 2015 #7 Author

      depois desse episódio tenho medo de corvos ‘-‘

      Responder

  • Eduardo

    novembro 23, 2015 #8 Author

    Ótimo review! Sucinto, mas bastante informativo e concordo qdo vc diz q os três personagens (e tb os atores) estão cada vez melhores e mais complexos.
    A morte de Clara foi bem marcante, apesar de eu achar que o motivo foi menos relevante q suas possíveis consequências.
    E, em minha opinião, a despedida mais triste foi a primeira vez de Rose Tyler, ainda mais pq não sabíamos q ela iria voltar algumas vezes e depois ser mais feliz.
    Abraços e agradecimentos a todos do Universo Who!

    Responder

  • Tantariel

    novembro 23, 2015 #9 Author

    Uma dúvida nada a ver me surgiu depois da morte da Clara. Como a Missy vai encarar a morte de seu pet? Afinal considerando quem é a Missy pode-se dizer que a Clara foi muito bem tratada por ela, acho que existia alguma empatia e digamos que se a Missy sentir a morte, a imortalidade de Me não a salvará.

    Responder

  • Ana Lucia F. Lieuthier

    novembro 23, 2015 #10 Author

    Review perfeito.
    Conseguiu capturar muito bem meu estado de espírito.

    Responder

  • Vânia

    novembro 23, 2015 #11 Author

    OBrigada pelo review, tão cedo, mais uma vez parabéns!
    Não esqueci de Donna,minha companion favorita, nunca esqueço, final mais triste i3i não há…mas Clara para mim, foi o final mais trágico, primeiro perde o futuro que tinha com Danny Pink ( ainda lembro que ela conheceu provavelmente o neto i3i, nunca esqueci) , ele morre, ela morre e morre para salvar o Doctor e no fim, morre de vez por pura…bondade e estupidez… :/ …T.T doeu e choreiii como nunca!…E no fim, mesmo a morrer tenta que ele não se vingue, nao da para nao amar a Clara…sem duvida, uma das melhores companions…
    You really brave Clara, Farewell Jenna T.T

    Responder

  • Alexandre

    novembro 23, 2015 #12 Author

    Episódio simplesmente fantástico, com tudo na medida certa, a morte de Clara fora digna da personagem…Porem a um mistério que ainda mantem viva minha esperança de que Clara retorne a vida. No episódio Listen conhecemos o neto de Clara Oswald e Danny Pink, pioneiro da viagem n tempo na Terra, se Clara e mesmo Danny realente encontraram seu fim, o que acontecerá com seu neto? Será simplesmente apagado da linha do tempo, fato esse que pode corromper a própria Time Line do Doutor, devido ao desfecho do episódio Lisen.

    Responder

    • Juan

      novembro 25, 2015 #13 Author

      Neto? Eu não lembro desse episódio, mas acho que na verdade era o Danny Pink criança.

      Responder

      • Alexandre

        novembro 28, 2015 #14 Author

        Sim o episódio começa com o Danny Pink ainda criança, porem ao desenvolver do episódio o doutor encontra o neto de Clara Orson Pink, um viajante do tempo que se perde no fim do Universo

        Responder

  • Julia Mello

    novembro 24, 2015 #15 Author

    Ótima review, parabéns pelo texto. Esse episódio, apesar de triste, foi sensacional. Mesmo tendo sido um final trágico (e sim, eu chorei bastante), até que eu tô ok com esse final da Clara…achei que a personagem foi bem escrita e construída ao longo dessas temporadas, e foi um final que fez sentido. Mas ah, ela vai fazer falta!!

    Responder

  • Nelson

    novembro 24, 2015 #16 Author

    O episódio me deixou realmente triste, nem tanto pela morte da Clara, até porque para mim a regeneração do Tennant (que não queria ir) e a até a morte da Clara em The Snowmen foram muito mais emocionantes. O que me deixou triste foi ver como a produção do show está ficando descuidada. Na temporada passada foi ao ar um episódio que na minha opinião foi medíocre, chamado Listen. Neste episódio nos foi apresentado o neto de Clara e Danny, “O ultimo homem no universo”. Com a morte de Clara e Danny sem deixar descendentes a linha do tempo deveria ficar corrompida mais ou menos como no episódio The Wedding of River Song. Mas parece que os produtores esqueceram totalmente do episódio Listen. Com as decisões que os produtores andam tomando nas 2 ultimas temporadas parece que querem cancelar a série de novo. Mas tomará que eu queime minha língua e o doutor encontre um jeito inteligente de remediar a situação.

    Responder

    • Tantariel

      novembro 26, 2015 #17 Author

      Teve um episódio que o Doutor explica isso para a Amy.
      Neste episódio ela lembra de dois eventos que ocorreram com ela ao mesmo instante, no primeiro ela fica triste por ter derrubado o sorvete quando criança e ter ficado sem, e no mesmo instante ela lembra de ter derrubado o sorvete e uma moça deu outro a ela, ficando feliz ao mesmo instante.
      Eventos podem ser reescritos, sofrer mudanças sem mudar grandes rumos, ou seja, as marolinhas.

      Responder

    • katyfiama

      novembro 26, 2015 #18 Author

      se eu não me engano ele não era neto deles, cheguei a pensar isso no começo mas ele era só um descendente distante do Danny, tipo o Danny era um tio-avó.

      Responder

    • Samuel Teixeira

      novembro 28, 2015 #19 Author

      Sinceramente, na minha humilde opinião, Listen foi o único episódio de tooda a oitava temporada que valeu a pena.

      Responder

  • Maquir

    novembro 25, 2015 #20 Author

    O que me fez realmente chorar litros e litros de lágrimas foi o meu ódio diante da estupidez com a qual a saída da Clara foi apresentada. Ela recebe a marca voluntariamente, depois de uma má interpretação dos fatos sobre o Corvo e quando tudo é esclarecido ela fica com cara de BOBA. Foi uma situação BOBA! Ele morreu com cara de BOBA! Não houve honra nem nada disso! Sim, ela suportou dor e etc, foi cruel… Mas a roteirista matou Clara com uma situação totalmente indigna e, na minha opinião, muito infantil. Ela foi tão longe, perdeu tanto, pra no final ficar com cara de quem esqueceu o RG na entrada do ENEM??? Me poupe.

    Responder

    • katyfiama

      novembro 26, 2015 #21 Author

      Concordo plenamente com vc, até achei que a atuação deles foi boa e até um pouco emocionante, mas sinceramente esperava muitíssimo mais, afinal foi a primeira companion a morrer, e não uma companion qualquer mais era a impossivel girl que se dividiu em várias e se espalhou ao longo de todas as regenerações do Doctor, foi a que ajudou ele a conseguir um novo ciclo de regenerações, acho que ela merecia muito mais.

      Responder

      • doutor

        novembro 28, 2015 #22 Author

        Ela foi a segunda se contar o Adric que se matou para impedir os cybermen.

        Responder

    • Renato

      novembro 29, 2015 #23 Author

      pra piorar, temos finalmente o Doctor vendo um companion morrer, (teve um mas ele estava em outra nave e tudo mais), e ele simplesmente parece uma estatua, não esboça NADA! NADA!

      porra, uma coisa que odeio no Capaldi é essa “pedra” que ele é referente a mortes, ignorando elas (porra, eu uso a frase, a felicidade do Ecleson no Doctor Dance “Everyone Lives rose, EVERYONE!, pra definir o doctor em todas suas regenerações) e o Capaldi é uma pedra nesse termo, até mesmo quando alguem como a Clara ( que esteve na sua linha do tempo, que fez tanto por ele) morre na sua frente, ele não muda nem o rosto. NADA!

      quer dizer, se nem o Doctor ligou pra morte dela, sentiu a morte dela, por que eu devo? eu falo que foi forçado essa morte e o povo acha que estou sendo idiota.

      Responder

      • jose matos

        dezembro 4, 2015 #24 Author

        sem a chatice dos cartões de desculpa porra o doutor já esta na terra a tanto tempo que saberia como se comunicar com as pessoas.

        Responder

  • Djonatha Geremias

    novembro 25, 2015 #25 Author

    Essa Ashildr, hein… não entendo. Ela esquece todas as vezes que o Doutor a salva dos perigos que ela mesma cria, e continua o vendo como um inimigo em potencial. Na primeira vez, ela desafiou o falso deus, e o Doutor a salvou. Depois ela esquece disso e, na segunda vez, se mete com o leãozão e, de novo, é salva pelo Doutor. Agora, de novo, ela se esquece da bondade dele e faz uma nova burrada. Um é pouco, dois é bom, mas três vezes… aí foi tarde demais. Ela continua apenas se lembrando do Doutor como uma possível grande ameaça, capaz de criar maremotos. A última personagem que quis assumir essa posição política de “defender a Terra do ameaçador Doctor” foi a primeira-ministra Harriet Jones (e, antes dela, a rainha Vitória, ao criar o Instituto Torchwood) – e deu no que deu… Harriet foi responsável pelo massacre Sicorax, e a rainha Vitória (indiretamente) pela “morte” da Rose Tyler.

    Responder

    • Lucas Inácio

      dezembro 5, 2015 #26 Author

      Harriet só foi infeliz na escolha de exterminar uma raça que conhecia a humanidade. Se você ver faz sentido o que ela fez muito embora incorreto e ela percebeu o que fez. A rainha Vitória realmente queria fazer mal ao Doutor e não prestava. O próprio senso dela em proteger a própria terra era mais por orgulho e para manter o próprio poder e soberania. Agora a A Ashldr viveu séculos. as pessoas não lembram muito bem dos anos mais antigos da escola principalmente quando mais velhas. Não lembram nem dos entes queridos quando já faz muito tempo que se foram e já seguiram em frente. Com o passar do tempo você esquece detalhes e aos poucos para de pensar m detalhes como nomes em décadas. Imagine viver séculos, passando a viver vidas totalmenente diferentes recomeçando com novas pessoas ao seu lado. De verdade, se um ser humano pudesse viver séculos esqueceria mesmo os detalhes e não é burrice. E o proteger o mundo do Doutor que ela fala é mais(até antes de heaven sent) ajudar com as pessoas que ele deixa pra traz ou influência de maneira direta ou indireta. A maior mancada mesmo foi matar a Clara(sem querer e de certa forma, principalmente em relação a inteligência que Clara demonstrou em relação à última temporada, burra por não intender o negocio de poder dar mas não enganar a morte), e, a Rua estava em perigo. Quem obrigou ela a fazer isso é mais culpado.

      Responder

  • Djonatha Geremias

    novembro 25, 2015 #27 Author

    Uma coisa que eu não entendo sobre a Me. A memória da Ashildr é limitada e não consegue reter todas as informações que ela adquire ao longo dos séculos. Porém, o capitão Jack Harkness consegue viver para sempre sem ter essa perda de memória. Ambos são humanos, ambos foram forçados à imortalidade, mas um tem HD mental infinito e a outra é cheia de lapsos. Por quê? Lembrando que, em Torchwood, o Jack conta que, em determinado momento da vida dele, optou por se esquecer do irmão mais novo, para evitar sofrimento (semelhantemente ao que a Ashildr fez sobre os filhos que morreram da praga) – ainda assim, no caso do Jack, não foi por causa da memória limitada.

    Responder

    • Daniel

      novembro 25, 2015 #28 Author

      Jack foi imortalizado pela Tardis. Talvez seja isso…

      Responder

  • Adriano Alexandrino

    novembro 25, 2015 #29 Author

    Review excelente.
    Assisti hoje 25/11 e to pasmo como a Clara se foi, pra quem acompanhou ela lá nos asilo dos Daleks e depois em os Sinos de St. jhon ver ela sair de cena assim , foi muito triste, lembrou muito a Donna Noble Amy e Rory que partiram o coração.
    Quando entra o Capaldi faltou um ajuste entre ambos, que levaram uma temporada inteira para se acertar, mas rendeu excelentes episódios como Escute, O zelador, Achatados. fico lembrando de cenas onde ela tomava a dianteira, ai neste temporada ela também assume a frente em certos momentos, eu achando que ela no episódio dos Zygons sendo duplicada foi um baque. ver ela morrer foi muito pior.

    Responder

  • Vera

    novembro 26, 2015 #30 Author

    Após ver o rumo da temporada 9 com o 12º doutor parecendo ir de encontro direto com os senhores do tempo e Gallifrey (pelo menos é o que eu acho) eu fiquei me perguntando:”Será que algum dia doctor who chegará ao fim?” Quero dizer por um final definitivo para a série com o doutor se aposentando, não sei… O que vocês fãs e equipe do universo who acham?

    Responder

  • Andresa

    novembro 27, 2015 #31 Author

    Detesto esse tipo de pergunta, mas por que o Doctor não pegou a chrono-lock e quando o corvo pegasse ele se regenerasse?

    Responder

    • Henrique Retti de Andrade

      dezembro 14, 2015 #32 Author

      Imagino que como foi repetido diversas vezes no episódio, você não pode enganar a morte. Eu me fiz a mesma pergunta, mas então lembrei do que disseram, e então percebi que na verdade ele não se regeneraria, ele morreria. Provalvelmente the Quantum Shadow iria simplesmente impedir que ele se regenerasse, e obviamente a Clara não ia deixar que ele fizesse isso. Acho que por isso

      Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *