Há spoilers adiante relacionados ao quarto episódio da 9ª Temporada. Muita gente ficou surpresa, diria até atônita, com o Doctor se dirigindo diretamente ao... Quebrando a Quarta Parede

spoilers adiante relacionados ao quarto episódio da 9ª Temporada.

Muita gente ficou surpresa, diria até atônita, com o Doctor se dirigindo diretamente ao público no começo e fim de Before the Flood. A quebra da quarta parede não é inédita em Doctor Who, mas esta certamente será por muito tempo a mais marcante da série. Esclarecendo: a quarta parede é a barreira imaginável existente entre a ação na tela e o espectador. Sua quebra, portanto, indica a percepção das personagens de que o público “está ali”, geralmente por meio de diálogo, ou apenas um olhar direto à câmera.

    • 1º Doctor no sétimo episódio de The Daleks’s Master PlanThe Feast of Stevenque pode ser considerado o primeiro especial de Natal da série.

Ao se dirigir diretamente a nós por quase 2 minutos, o 12º explica o “paradoxo de bootstrap” através de uma exemplificação interessante utilizando Beethoven. Vale observar que o 10º Doctor já havia mencionado ter conhecido o compositor e que ao final do episódio o próprio Doctor suscita dúvida quanto ao fato de seu exemplo ser apenas isto ou também um relato. Há quem argumente que isto tenha tirado o charme do desfecho do episódio. Sou de opinião contrária, de que se trata apenas de uma inversão narrativa, que te instiga a querer saber o porquê de sua existência, sem qualquer prejuízo ao desenvolvimento da história.

    • 4º Doctor no segundo episódio de The Invasion of Time.

O 12º Doctor já é o que mais usou deste recurso, tendo também em seu episódio de estreia dialogado brevemente com o público. Além dele, as encarnações de número 1, 4, 6 e 11 quebraram a quarta parede, mas não de forma tão explícita, como fica visível nos três exemplos da série clássica trazidos aqui. Vale observar que os arcos The Daleks’ Master Plan e The Caves of Androzani encontram-se disponíveis no site.

    • Em The Caves of Androzani, o 6º Doctor, em resposta a Peri, que lhe pergunta “O que aconteceu?”, logo após sua regeneração: “Mudança, minha cara. E parece que cedo demais.”

O que tem de mais transgressor no uso do recurso em Before the Flood é como este foi utilizado não apenas para levar a um diálogo entre Doctor e espectador, mas principalmente para suscitar a ideia de que o viajante no tempo é consciente de sua condição como personagem numa obra fictícia, afinal de contas, não é seria o Doctor quem está tocando com sua guitarra o tema da abertura da série para nós? Considero um toque de mestre de Toby Whithouse, que só prova como mesmo após 9 temporadas, Doctor Who segue demonstrando como não pretende cair na mesmice.

Whithouse

Após esta quebra de barreira, talvez eu tenha achado meu candidato favorito a suceder Moffat. Seria o escritor de The God Complex/Vampires of Venice/A Town Called Mercy/School Reunion um bom showrunner? Vocês concordam que esta quebra de parece é uma provocação bem vinda, ou acham que o recurso foi mal utilizado, prejudicando a narrativa?

Universo Who

Publicações feitas por colaboradores que em algum momento fizeram parte da história deste site desde 2009, mas que não mais fazem parte do projeto.

  • Mayh Lynny

    outubro 12, 2015 #1 Author

    Eu sinceramente achei formidável. Foi como se tivéssemos entrado dentro da TARDIS, como se fôssemos parte daquele universo. A atenção que o Doctor dedicou ao público foi magnífica, sem falar da narrativa extremamente interessante, e não prejudicou em nada o desenrolar da história. Acho que o recurso foi muito bem utilizado, deixando até mesmo uma ponta sobre o futuro da temporada ou até mesmo da série. Gostaria de ver mais momentos assim.

    Responder

  • Elias dos Santos

    outubro 12, 2015 #2 Author

    Fiquei atônito na hora. Gostei desse recurso e espero que utilizem outras vezes.

    Responder

  • Carlinhos

    outubro 12, 2015 #3 Author

    foi uma provocaçao bem vinda gostei muito

    Responder

  • Rosana Mendes

    outubro 12, 2015 #4 Author

    Eu levei um pequeno susto quando o Doutor começou a “falar comigo”, susto suficiente pra fechar o player e abrir de novo pra garantir que estava no episodio mesmo, e não em uma extra. Eu gostei da forma como foi utilizada, mas espero não ver mais disso tão cedo, pois esse é o tipo de recurso que perde totalmente a graça quando se torna comum em uma série que não foi projetada pra isso.

    Responder

  • Trubel

    outubro 12, 2015 #5 Author

    Quando comecei a ver o episódio me assustei, e até pensei ser um extra, como a Rosana Mendes falou. Pensei que a novidade seria só essa, quando ouço o tema da abertura bem Heavy Metal, achei muito massa! E o final do episódio também foi bem interessante. Mas, usar esse recurso frequentemente certamente vai ficar sem graça, espero que o usem com moderação.

    Responder

  • Erikson Oliveira

    outubro 12, 2015 #6 Author

    Você esqueceu Listen, onde ele fez quase a mesma coisa de Before the Flood.

    Responder

    • Matheus Carvalho

      outubro 12, 2015 #7 Author

      Em Listen ele não se dirige em momento algum ao público, dialoga consigo mesmo.

      Responder

      • Luis

        outubro 13, 2015 #8 Author

        Quando ele fala “LISTEN!” bem no começo ele olha pra tela, ñ aparenta ser pra si, mas dizendo para escutarmos. Ela ñ é tão direta como essa de Before the flood, mas se encaixa nos outros exemplos da série clássica, assim como em Deep Breath, onde ele olha pra um lugar onde “ñ tem nada”, só câmera, como se olhando pro público

        Responder

        • Matheus Carvalho

          outubro 13, 2015 #9 Author

          Olha, não lembrava deste trechinho anterior ao monólogo na TARDIS. Achei que você estivesse falando do monólogo na TARDIS, em que ele faz algo parecido com esse diálogo conosco em Before the Flood. Contudo, acho que ele só se dirige ao público ali quando fala “Listen!”.

          Responder

  • Matheus

    outubro 12, 2015 #10 Author

    O Toby Whithehouse será o meu candidato a suceder o Mofffat quando ele nos levar para o planeta desta criatura que tem seu planeta sempre invadido e escravizado. Adoro esse Alien.

    Aliás, o Toby poderia ter ido por um caminho simples de alguns roteiristas de simplesmente catar um ser humano, mas ele usou um alienigena totalmente diferente, coisa que falta nos dias de hoje em Doctor Who.

    Responder

  • Ana Lucia F. Lieuthier

    outubro 12, 2015 #11 Author

    Ferris Buller é um de meus heróis do final da adolescência, e de quebra de 4ª parede ele entende, e muito. Talvez por isso não estranhei o Doctor falando comigo, até o momento que percebi que não havia Clara, ou qualquer outra pessoa por perto, e fez um “tilt” na cabeça.
    O principal é que foi um episódio divertido. E estou pensando se teremos uma sonic eletric guitar no horizonte.

    Responder

  • Adriano Alexandrino

    outubro 12, 2015 #12 Author

    Eu fiquei surpreso ele conversando com o público, assim como a Rosana Mendes disse eu fechei o player e abri de novo para conferir se estou no episódio certo. não é algo que estou acostumado pois são poucos seriados que usam esse recurso com brilhantismo me fez lembrar do Doctor Brown nos desenhos do back to the future que ele usou este recurso.

    Responder

    • Henrique

      outubro 18, 2015 #13 Author

      Adriano, um seriado que usa e abusa do recurso da 4ª parede é o House of Cards do Netflix. Eu não me surpreendi com a quebra da parede com o Doctor, pelo simples fato de que em ambos os casos, os personagens(o Doctor e o Frank) eles não citam personagens e sabem claramente de nossa presença. Recurso incrivel usado em ambos os casos. Em DW, me senti como um companion e em House of Cards como cumplice do Frank.

      Responder

  • Anderson

    outubro 12, 2015 #14 Author

    Eu fiquei p*to quando vi essa quebra da 4ª parede mas quando acabei de ver o episódio percebi que era o Doutor explicando pra Clara o tempo todo 🙂

    Responder

    • Matheus Carvalho

      outubro 12, 2015 #15 Author

      Anderson, ele não estava explicando pra Clara. São dois momentos diferentes, em um ele interage conosco (começo e última cena do episódio), em outro ele fala com a Clara (antes da última cena)

      Responder

  • Matheus Araujo

    outubro 12, 2015 #18 Author

    Isso não aconteceu também recentemente no especial de 50 anos? Na introdução do cinema, tanto o Matt quanto o Tennant se dirigem e brincam diretamente com o espectador.

    Quem não teve a oportunidade de conferir, não está na melhor das qualidades…, mas deixo aqui: https://www.youtube.com/watch?v=-hZrl-N3yps

    Responder

    • Matheus Carvalho

      outubro 13, 2015 #19 Author

      Matheus, aquilo não faz parte do episódio, sendo uma introdução especialmente feita pro público no cinema.

      Responder

      • Matheus Araujo

        outubro 13, 2015 #20 Author

        Mas ainda é uma bem concreta quebra da quarta parede em DW. 😉

        Responder

  • Cecy

    outubro 13, 2015 #21 Author

    Eu amei a quebra da quarta parede, e assim como a Ana Lucia, também sou fã de Ferris Buller e na hora eu associei com o filme. Curti muito esse momento, Doctor Capaldi falando diretamente comigo??? Uauuu… E tocando a 5° Sinfonia de Beethoven na guitarra? E depois, tocando “pra mim” o tema de abertura? Gente, sem palavras!

    Responder

  • Müller

    outubro 13, 2015 #22 Author

    Eu achei bem legal. Eu gosto dessas quebras de quarta parede. Claro que, pro Doutor, não deve ser muito frequente, ou se não estraga.

    Responder

  • Pâmela

    outubro 13, 2015 #23 Author

    Eu adorei o uso do recurso nesse episódio assim como a pegada heavy metal que vem acontecendo nessa temporada. Espero que continuem trazendo inovações!!

    Responder

  • Nicolas

    outubro 13, 2015 #24 Author

    Ficou muito bom a quebra da quarta parede pq o Doutor literalmente explica um paradoxo pro público, é como se nós estivéssemos no lugar de uma companion dele enquanto ele explica alguma coisa ficou d+

    Responder

  • Islan Oliveira

    outubro 13, 2015 #25 Author

    Eu particularmente gostei, mas tem que ser usado com moderação. Quanto ao Toby Whithouse ser showrunner não sei, mas confesso que gostaria que o Moffat saísse logo, pois embora ele saiba escrever alguns episódios bons, sinto que está na hora de mudança.

    Responder

  • Juan

    outubro 15, 2015 #26 Author

    sou muito fã de doctor who; Acompanho desde a 1ª temporada e acho q isso
    foi desnecessário pois não tinha nada a ver com o enredo do episódio

    Responder

  • Gustavo

    outubro 16, 2015 #27 Author

    Ele toca a música de abertura ?
    Pensei que era o começo da 5º Sinfonia de Beethoven.

    Responder

  • Emanuelle Soares

    janeiro 6, 2016 #28 Author

    Eu, particularmente, adorei a quebra da 4° parede em Doctor Who, foi muito bem medido e planejado, e realmente fazia com que nos sentíssemos parte da série, como se realmente fôssemos a companion que assistia à uma parte da vida dele.
    E isso nos faz pensar: Se ele tem consciência de nós ali, será que não sabe o tempo todo? Pensei logo no episódio The Name of The Doctor, onde a River está ali o tempo todo, mas o Doctor finge não vê-la, pois achava que doeria demais falar com ela.
    Será que nós somos os verdadeiros companions, só vendo partes da vida do Doctor, enquanto ele finge não nos ver? Seria, realmente, uma boa “reviravolta” na série, além de que seria bem divertido, descobrir algo como isso no final da série…!

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *