Por Renata Nascimento O episódio de Sábado passado do programa da BBC 1 apresentou um cliffhanger dramático com a descoberta do Doutor e...

 

Por Renata Nascimento

O episódio de Sábado passado do programa da BBC 1 apresentou um cliffhanger dramático com a descoberta do Doutor e de Rory de que Amy havia sido sequestrada.

Moffat disse que este recurso de roteiro foi re-introduzido de propósito na série, dizendo à Radio Times: “A única coisa que ficou faltando em Doctor Who quando o programa voltou ao ar, eram os cliffhangers. Você lembra como era antigamente? A música tocando bem no momento em que o Doutor se dá conta…bem, eu amo isso.

“Além disso, isso encoraja a audiência a voltar. Sendo assim, trouxemos o cliffhanger de volta com toda força.”

O produtor executivo de Doctor Who também se defendeu contras críticas de que a série se tornou muito complicada desde que assumiu o posto no lugar de Russell T. Davies.

“Bem, você tem que prestar atenção”, ele disse. “Não tem como assistir o programa passando roupa. E muito menos quando estiver twitando.

“Você tem que sentar e focar e uma audiência de crianças com certeza consegue fazer isso”.

Fonte: Digital Spy

Universo Who

Publicações feitas por colaboradores que em algum momento fizeram parte da história deste site desde 2009, mas que não mais fazem parte do projeto.

  • Tiago

    junho 2, 2011 #1 Author

    Episódios com cliffhanger deixa a série mais emocionante, e como eles deixam histórias abertas por um tempo entre esses episódios, esse é o melhor momento dos fãs se reunirem e discutirem, formar teorias e tentar entender o que esta acontecendo na série.

    Acho que assim é bem melhor mesmo, e espero que continue por bastante temo ainda.

    Responder

  • Blulrich

    junho 2, 2011 #2 Author

    Eu concordo com ele. Cliffhangers são de matar, mas é tão melhor do que deixar tudo fechadinho…
    E qual a graça de ficção científica simples? RTD era muito bom no que fazia, mas a 5ª temporada teve um plot muito melhor do que o costumeiro mencionar de palavras e frases.
    P.S. Primeira vez que comento aqui no site, e quero deixar claro como sou grato pelo trabalho que vocês têm com o site. Estão de parabéns.

    Responder

  • Bianca Cavani

    junho 2, 2011 #3 Author

    Há uma ou outra série que vejo cuja história começa e termina no episódio, e, vá lá, se forem boas, tudo bem. Mas as que eu realmente gosto são aquelas séries que têm um mistério que entrelaça toda a série, às vezes até muitas temporadas dela. Tal mistério me devora; por exemplo, fiquei anos febril pelos mistérios de Lost (e sou uma das que gostaram do começo, meio e fim). Battlestar Galáctica, Lexx, Farscape me enlouqueceram com seus mistérios.
    Quanto à série DW, comecei a assistir a série moderna. Amei os episódios autocontidos, mas os mistérios sobre o Doctor, que paulatinamente fui descobrindo, eram o que tomaram de assalto a minha alma.
    Moffat usa a técnica do cliffhanger com maestria, e para mim isso é admirável – eu quero é mais! Entretanto, como ele elevou a complexidade das histórias, talvez as crianças tenham um pouco de dificuldade para entender. Ou não, vai ver as crianças britânicas têm uma bagagem intelectual maior. Espero que sim, pois não gostaria que Moffat simplificasse as histórias.

    Responder

    • Nat

      junho 2, 2011 #4 Author

      Bianca,

      Já tem gente no Reino Unido questionando a complexidade do enredo do Moffat (e, como profetas do caos, apostando na queda de audiência). Mas também há outras pessoas na terra da rainha aplaudindo a mudança e torcendo para que DW conquiste um público mais abrangente.

      Eu, particularmente, prefiro essa guinada à complexidade e torço para que permaneça assim!

      Responder

      • Bianca Cavani

        junho 2, 2011 #5 Author

        Nat,
        bem, eu preferiria que todos gostassem da forma que Moffat está levando, mas, se formos ver, nunca existe mesmo unanimidade. E é bom que seja assim.
        Como o UK não é os USA – isto é, a pressão pela audiência não é tão monstruosa, há espaço para experimentações, inovações que serão só com o tempo assimiladas, tem a BBC, tem uma tradição nas artes a zelar – então há bastante chance de não imporem mudanças a Moffat.
        Já se fosse nos USA, cabeças iam rolar, meu caro. Veja o que aconteceu com Caprica, Rubicon e, embora não do mesmo nível desses, The event. Lá não tem segunda chance… Bom, mas eles tem a HBO, que tem feito muita coisa boa.

        Responder

  • daniel

    junho 2, 2011 #6 Author

    Tomara que faça sucesso, gosto MUITO mais de DW assim!

    Responder

  • Bianca Cavani

    junho 2, 2011 #7 Author

    Corrigindo: Nat, minhA carA. Será que você não é a minha prima Nat, a Natalie? Seria muito engraçado a gente se encontrando aqui, rsrs

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *