Hoje à noite, tivemos a cerimônia do NTA (National Television Awards), uma premiação em que o público vota escolhendo os melhores programas da Tv...

Hoje à noite, tivemos a cerimônia do NTA (National Television Awards), uma premiação em que o público vota escolhendo os melhores programas da Tv britânica…E pela primeira vez em 6 anos, Doctor Who não ganhou nada. Desde que o programa voltou em 2005, sempre ganhou o prêmio de ator (Christopher Eccleston e David Tennant ambos ganharam) e seriado mais popular, além de já ter ganho por atriz mais popular (Billie Piper, em 2005 e 2006)…E pros que não se lembram, foi recebendo o prêmio em 2008, que David Tennant anunciou que deixaria Doctor Who após 2010.

Bem, pelo menos temos a abertura da noite com o 11º Doutor, Matt Smith com o apresentador da noite, Dermot O’Leary. Enjoy…

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=n0CpW4Xkc4k]

Universo Who

Publicações feitas por colaboradores que em algum momento fizeram parte da história deste site desde 2009, mas que não mais fazem parte do projeto.

  • Breno Filho

    janeiro 27, 2011 #1 Author

    E voces não sabem por que?
    A culpa é do Matt Smith, que faz o 11º doutor, ele é terrivel, não posso nem imagina-lo correndo meio perdido pelos cenários, sacudindo a chave de fenda que mais parece um vibrador e vestindo aquelas roupas horriveis que ele catou no corredor de um hospital.
    Saudades dos tenis All Star e do casacão presente da Janis Joplin.

    Responder

  • Luå

    janeiro 27, 2011 #2 Author

    Mas convenhamos que, das outras vezes, a série mereceu. Não gostei muito dessa temporada.
    O vídeo, por sua vez, ficou muito legal! huhaeuhaeu a Tardis chegando com o apresentador foi demais =P

    Responder

  • Dan

    janeiro 27, 2011 #3 Author

    Engraçado que embora eu prefira o Eccleston e sinta falta da época do Davies, eu achei que a quinta temporada foi, em alguns aspectos, melhor do que as outras. Achei o clima um pouco mais pesado e alguns diálogos mais marcantes, além do figurino e da trilha sonora, que só não supera a da terceira temporada. Mas tudo bem, próxima vez eles ganham. :b

    Responder

  • Eddy

    janeiro 27, 2011 #4 Author

    Culpa? Matt Smith é um ótimo ator, um dos melhores que já vi, e a série do Moffat é ótima.
    Ficar arranjando desculpinha para a série não ter ganhado não ajuda em nada, o fato é que a série é ótima, sempre foi e sempre vai ser. Se fosse para culpar alguém, seria para culpar os fãs que não votaram, já que a votação era pública.

    Mas, como disseram no Kasterborous e Whovianet, Doctor Who foi o foco do vídeo de abertura, então, no fim, a série foi a grande vencedora da noite.

    Responder

  • Luana Barbosa

    janeiro 27, 2011 #5 Author

    Nunca assisti a série que ganhou, mas não vejo como ela pode ser melhor que Doctor Who e Sherlock. Esse prêmio era pra estar nas mãos do Moffat, foi realmente uma pena.

    Responder

  • João Vitor

    janeiro 27, 2011 #6 Author

    Sei que não tem nada haver com o assunto, mas cosegui o filme do 8º doctor em AVI e a legenda. Se houver alguma forma de desponibilizalos para vocês pro favor me digam.

    Responder

    • Matheus Carvalho

      janeiro 27, 2011 #7 Author

      Conseguiu pela comunidade do orkut, ou pelo legendas.tv?

      Responder

      • João Vitor

        janeiro 27, 2011 #8 Author

        nem um nem outro, consegui o filme em um site que localiza arquivos no megaupload e a legenda consegui no legendas brasil,
        ficarei feliz em disponibilizar o telefilme

        Responder

  • Fabiola

    janeiro 27, 2011 #9 Author

    Culpar o Matt Smith não é justo, sherlock tbm teve mtos votos de fãs de DW, pode saber. A quinta temporada é muito bem feita a era RTD tem histórias mto mais fracas comparadas a era Moffat. Uma pena Doctor Who não quer ganhando, mas não significa que a séria seja ruim.

    Responder

  • Bianca Cavani

    janeiro 27, 2011 #10 Author

    Objetivamente: Matt é ótimo, Moffat é um gênio superior, mas não assisti às outras séries e nem vi o trabalho dos atores que ganharam. Claro que – subjetivamente – eu queria que meus queridinhos saíssem carregados de prêmios, mas…

    Eddy, desculpe rir, mas achei a sua reação de superfã colérico tão engraçada! Salvou o meu dia… (mas confesso que se fosse com o David e o Russell eu também iria ficar cega de ódio).

    Olha só, gente, pelo que li a 6a. temporada vai ser de deixar a gente sem voz e sem respiração, completamente extasiados. Então, fiquem tranquilos que ninguém tira o NTA do ano que vem de DW.

    Responder

    • Eddy

      janeiro 27, 2011 #11 Author

      Ano que vem a gente manda um dalek apresentar, quero ver tirarem o NTA…

      Responder

  • Bárbara

    janeiro 28, 2011 #12 Author

    mais uma prova que esse matt smith e essas temporadas novas tão estragando o seriado… pra mim, é como se fosse outro seriado agora ;(

    que saudade da era 9th e 10th

    Responder

  • Luå

    janeiro 28, 2011 #13 Author

    A quinta temporada realmente é muito bem feita, mas como a Bárbara falou, é como se fosse outro seriado. O que ficou pra trás, pra mim, valia mais a pena do que agora.
    E muita gente fala que o Matt é mal ator, mas eu não consigo julgar isso. Ele pode não ter conseguido passar uma personalidade tão desinibida para o Doctor quanto o Tennant, mas ele não é tão ruim assim.

    Responder

    • Eddy

      janeiro 28, 2011 #14 Author

      Cada encarnação tem uma personalidade diferente e eu acho que ficou bastante aparente que a personalidade do décimo primeiro Doctor não é exatamente desinibida.
      Ele tem um péssimo senso de moda e não entende os costumes humanos, o que faz ele chamar a atenção, além de ter que “aparecer” quando quer salvar os outros ao redor, mas desinibido ele não é.

      Responder

      • Luå

        janeiro 29, 2011 #15 Author

        Eu sei que cada encarnação tem uma personalidade diferente, mas esse contraste pode gerar algo negativo nos fãs, seja por preferirem antes ou por qualquer outro motivo.
        E justamente, o 11º NÃO é desinibido. É estranho, fica chamando a atenção de todo mundo e eu gosto do senso de moda dele lol Talvez por ser desse jeito, meio que sem saber se relacionar com os outros humanos, ser meio duro nos movimentos, as pessoas achem que ele é mal ator.

        Responder

        • Eddy

          janeiro 29, 2011 #16 Author

          Eu já achei ele um ótimo ator. Se você for vê-lo na vida real e falando no Doctor Who Confidential, verá que ele é um cara mais organizado e tal. Lembro do Confidential do Eleventh Hour, onde ele explica que fez o papel do Doctor batendo em si mesmo e todo caótico pois achava que seria efeito colateral da regeneração, incluindo dores e movimentos involuntários dos músculos, até porque ele não teve tempo para descansar, foi direto para a ação depois da regeneração. Para o cara levar tudo isso em consideração na sua PRIMEIRA aparição na TV, logo após a regeneração (considerado pelos atores como os piores episódios onde atuar como o Doctor) não é fácil, ele tem uma cabeça muito boa para isso.

          Responder

  • petraberg

    janeiro 28, 2011 #17 Author

    O prêmio NTA reflete a popularidade das séries e atores, e não a qualidade. A quinta temporada foi muito bem escrita, amarrada, com um grand finale juntando todos os epis. O Matt está fazendo um Doctor maavilhoso, que ainda tem muita coisa a revelar (que estou doida para descobrir), nuances, sutilezas: uau, só podia ser ele para substituir o Tennant. Tem a história da River na 6a. temp. e as surpresas que Moffat sempre nos reserva. Não tenho nada mesmo a reclamar, pelo contrário.
    Então, eu adoraria que DW saisse cambaleando pelo peso dos prêmios, mas não foi assim. Agora, daí a concluir que não ganhou por falta de qualidade vai uma grande distância.
    Vou investigar qual foi a série e atores que ganharam e, se possível, baixar. Quem serão estes que conseguiram tanta popularidade?

    Responder

    • Matheus Carvalho

      janeiro 28, 2011 #18 Author

      E justamente…Tanto é que a premiação do NTa não é por “melhor” e sim por mais popular…e destaque…E Waterloo Road ganhou como série mais popular…

      Responder

    • Eddy

      janeiro 29, 2011 #19 Author

      Até porque é votação do público, não algo fechado como os Oscars.

      E eu não iria tanto no mais popular, hein? Aqui no Brasil, o Restart é bem popular, por exemplo….. Não falo mais nada…

      Responder

      • Matheus Carvalho

        janeiro 29, 2011 #20 Author

        Mas é essa a questão…Popularidade não é igual a qualidade…Ou seja, o fato de Doctor Who não ter ganhado um prêmio de popularidade não indica uma melhora/piora…E sim uma queda de popularidade (ou não…como a votação é por repetição…ou seja, as pessoas ficam votando milhares de vezes até perderem a mão)…O que deixa bem relativo mesmo.

        Responder

  • Bianca Cavani

    janeiro 29, 2011 #21 Author

    E mesmo que DW nunca tivesse ganhado nenhum prêmio, nem futuramente ganhar nenhum prêmio sequer, nem tivesse sido mencionada por tantas pessoas influentes na cultura e respeitadas intelectualmente – ainda assim esta série tem qualidade incontestável, idem a 5a. temporada, e é a minha série favorita. Ganhar õu perder este prêmio não faz a menor diferença no modo como eu vejo a série.

    Responder

  • Eugenio Pinto

    janeiro 29, 2011 #22 Author

    Breno Filho :
    E voces não sabem por que?
    A culpa é do Matt Smith, que faz o 11º doutor, ele é terrivel, não posso nem imagina-lo correndo meio perdido pelos cenários, sacudindo a chave de fenda que mais parece um vibrador e vestindo aquelas roupas horriveis que ele catou no corredor de um hospital.
    Saudades dos tenis All Star e do casacão presente da Janis Joplin.

    A P O I A D O ! ! ! O Matt Smith conta com a simpatia de muitos, sei disso, talvez porque represente a continuação/continuidade da série. Mas também é inegável que ele é exagerado, esquisito, afetado e interpreta um Doctor sem personalidade própria, parecendo uma colagem de características do Eccleston e do Tennant. Torço para que a era MS passe logo.

    Responder

    • Eddy

      janeiro 29, 2011 #23 Author

      Todos os Doctors são uma “colagem das características dos outros”, se você for levar a discussão para esse lado. A roupa do David Tennant remete às roupas do quinto e sétimo Doctors. Os óculos remetem ao quinto. O casaco comprido remete ao estilo do casaco do sexto, mas menos colorido. O sentimentalismo quanto aos companions remete ao quinto também. O entusiasmo em frente ao perigo remete ao quarto…. Por aí vai.
      O nono Doctor tinha o lado mais violento e aventureiro do terceiro, além da seriedade do terceiro também. Usava o nome falso de John Smith o tempo todo, assim como o terceiro novamente. Seu entusiasmo ao falar de ciência e ver coisas consideras impossíveis acontecendo remete ao oitavo. Sua felicidade quando ninguém morre e o peso na conciência quanto às mortes vem do quarto, etc.
      Sempre veremos pontos onde as várias encarnações são parecidas, após 11 encarnações diferentes é IMPOSSÍVEL fazer uma nova versão do Doctor completamente diferente das outras sem perder a essência dele, de último dos Time Lords que gosta de ajudar os outros, não quer mostrar o próprio nome real e não consegue esconder o fato de que veio de outro planeta.

      Responder

  • petraberg

    janeiro 29, 2011 #24 Author

    Todos os Doctors são bem excêntricos, esquisitos mesmos, aliás esta é uma das razões que os adoro. Aliás, o Doctor não é um terráqueo; é um timelord. Já por aí ele deveria ser diferente aos olhos dos terráqueos.
    Outra coisa: ele tem uma agilidade e capacidade mental infinitamente superior aos terráqueos, e o Matt interpreta essa característica muito bem.
    Mas se fosse para dizer qual Doctor foi o mais excêntrico, aquele (o pai da Georgia, noiva do Tennant) que usava um vegetal como broche no paletó seria um dos com bastante chance de ganhar. Humm, tem também o cachecol do Tom Baker arrantando no chão, e Doctor-clown Silvester McCoy… ah, sei lá, todos são maravilhosamente excêntricos.

    Responder

    • Eddy

      janeiro 29, 2011 #25 Author

      O do vegetal é o Peter Davison. 🙂
      E o McCoy nem é tão palhaço, só tem interrogações expalhadas pela roupa, o palhaço mesmo é o Colin Baker, com o casaco multi-cor…
      Acho que o único com roupa normal mesmo foi o nono Doctor, até o Tennant tinha suas bizarrices (ou vai me dizer que usar tênis all-star com um smoking é normal?)

      Responder

  • petraberg

    janeiro 29, 2011 #26 Author

    Eddy, o Tennant também era (devidamente) excêntrico. Talvez não tanto do ponto de vista da indumentária (exceto o cabelo…) mas do jeito de ser mesmo. A movimentação dele era muito elétrica, tanto pilotando a Tardis (parecia um doido, batia com um martelo os comandos) quanto no meio das pessoas, correndo para salvar o mundo. Tinha também as expressões (ha!, molto bene, allons-y) Tudo isso tem um nome: excentricidade, esquisitice, coisa de alien.
    Mas mesmo a roupa: vai me dizer que aquele sobretudo, aqueles terninhos, a gente vê muito por aí no dia a dia…

    => é mesmo, o Collin Baker ganha o primeiro lugar: aquele casaco de néon furta-cor combinando com os anéis dos cabelos não tem para ninguém!

    Responder

    • Matheus Carvalho

      janeiro 29, 2011 #27 Author

      O Colin tadinho…Queria vestir a roupa mais dark possível…Deram logo a mais colorida pra ele…

      Responder

    • Eddy

      janeiro 30, 2011 #28 Author

      Eu tenho um sobretudo e uso bastante, tá? =(

      Eu acho que na série moderna todos os Doctors têm seus momentos onde correm/andam/se movimentam como se tivessem problemas mentais.
      O nono Doctor nunca conseguia ficar parado, quando precisava ele ficava mexendo os braços e a cabeça como se estivesse desconfortável. O décimo… O décimo era o décimo, não preciso falar nada. O décimo primeiro….. Veja Vampires in Venice and see it for yourself.

      Responder

  • petraberg

    janeiro 30, 2011 #29 Author

    Bem, eu também tenho um modelito detetive da Narcóticos que não tiro do corpo…

    Eu li, acho que no Gallifrey Base, umas pessoas dizendo que, de vez em quando, iam vestidas de Doctor Who no trabalho.

    Responder

  • Allan Reis

    fevereiro 3, 2011 #30 Author

    Sei que o Matt Smith tem muitos defensores, e concordo que a quinta temporada foi muito bem feita (deu pra notar que vários aspectos receberam uma atenção maior, como os figurinos, a trilha sonora, etc.) mas também concordo em partes que isso quebrou o paradigma da série, deu novos ares, isso é importante pra que a série evolua, e por ser um período de transição, talvez o público só precise se acostumar. Mas também não dá pra negar que a atuação do Tennant foi marcante. Todos os Doctor’s são esquisitos, excêntricos, etc. mas o Tennant conseguiu mesclar de forma brilhante a esquisitice com a dramaticidade, a leveza e o humor do doctor com o peso de viver como um viajante solitário, e ser o último de sua espécie. E muito dessas emoções, passadas só com o olhar. Na minha opinião, ninguém incorporou de forma tão expressiva o personagem. O Matt Smith, não chega aos pés do Tennant. E o problema não é ele tentar dar o seu próprio tom ao personagem (O Eccleston deu um toque próprio ao personagem, que foi legal), o problema é que o Matt Smith não convence. Seja nos momentos de humor, na excentricidade (que as vezes de exagerada, mais faz o doctor parecer um louco), ou nos momentos dramáticos (provavelmente o ponto mais fraco de atuação dele). Matt Smith ainda deixa a desejar, espero que na próxima temporada ele consiga assimilar melhor e esteja mais a vontade na pele do Doctor.
    Claro que essa premiação é questão de popularidade, não de qualidade. Mas também não podemos ficar nos enganando e desmerecer a premiação SÓ pela série não ter vencido esse ano. Temos que admitir: Doctor Who vem vencendo desde 2005, um reconhecimento de sua popularidade e de sua qualidade. O Eccleston ganhou de ator (ficando só um ano), o Tennant conquistou o público já no seu primeiro ano, Billie Piper ganhou nos dois anos em que esteve na série… Eu (pelo menos acho que) consigo entender o público britânico, e justificar a queda de popularidade. Apesar dos pesares, as primeiras temporadas conseguiram me envolver bem mais que a quinta. Além do que, em alguns aspectos parece que a série se tornou mais “teen”, por coisas como a idade dos atores, daleks coloridos, trilha sonora, sem contar as perdas de referência. tirando a River Song e os inimigos,não houve sequer referência aos antigos amigos do Doctor. Sendo que na temporada passada não só as referências, como as participações foram massivas. Foi um tal de Martha Jones voltando, Rose Tyler tentando fazer contato, Torchwood, Sara Jane, reunião das “crianças do tempo”… OK, ficou meio obvio que foi uma reunião especial de despedida pro 10th, e que na quinta temporada uma nova era ia começar. Mas tudo ficou suspenso demais quando a nova temporada começou, como se a preocupação maior fosse IMPOR a nova turma, sutilmente deixando de lado o passado pra não correr o risco de viver à sombra do passado (seja o Matt à sombra do Tennant, a Amy Pond à sombra da Donna/Rose, ou o Moffat à sombra do Davies). Sò acho que a mudança foi um pouco brusca demais. (mudaram até o interior da TARDIS, poxa. Tudo de uma vez.) Essa foi a reação.

    Responder

    • Eddy

      fevereiro 3, 2011 #31 Author

      Discordo sobre o Matt ser um ator ruim, gostei muito do momento de raiva dele em The Beast Below, muito mais convincente que os momentos de raiva do Tennant, que, apesar de bom ator, só forçava a mandíbula nas expressões de raiva e mais nada.
      E Amy à sobra da Rose? Discordo, a Rose foi só um modo de dizer “o Doctor se apaixonou, óóiiinnn….” e não tinha uma personalidade à altura de uma companion como a Amy e a Donna, que agem de igual para igual com o Doctor.
      E essas mudanças eram muito comuns na série clássica. Do segundo para o terceiro Doctors houveram mudanças centenas de vezes maiores que entre Tennant e Matt, acredito que um verdadeiro fã da série também deve entender e seguir essas mudanças.

      E só para lembrar, algo que esqueci de falar antes: na quinta temporada houve um corte de custos por parte da BBC (pequeno, mas houve) e ainda assim a produção da série parece estar ainda melhor, então devemos respeito ao Moffat que fez MUITO bem com o que tinha em mãos.

      Responder

  • Bianca Cavani

    fevereiro 3, 2011 #32 Author

    Discordo do Allan – o Matt é ótimo ator. Obviamente, se formos comparar com Tennant, o segundo é muitíssimo melhor, mais anos de atuação no Royal Shakespeare Company, etc., e com infinitos outros talentos, como a voz, a expressão, o talento igual para a comédia e para o drama. As quatro primeiras temporadas também foram avassaladoras para mim, ganhando-me para sempre, na primeira fila, como fã da série.
    Mas Tennant e Russell quiseram sair da série por razões particulares. (aliás, ninguém queria que eles saíssem. Devem ter oferecido uma grana alta para reconsiderarem. Entretanto, eles preferiram não se repetir e seguir caminhos novos, aumentando ainda mais a minha admiração por eles).
    Agora, fala sério, vamos curtir a fase nova, os novos ares. os novos pontos a ser explorados. Chega de comparação. A vida não é só ficar pensando se a gente gosta mais do papai ou da mamãe.
    Outra coisa: aquela série Chaves (nunca vi, credo, mas ouvi falar) tem enorme popularidade. A série Grey’s Anatomy ganha ou ganhou muitos prêmios. E DAÍ?

    E discordo do Eddy. Só porque houve o lance romântico entre Doctor e Rose ele está desvalorizando o ativo papel de Rose. Ela, logo no primeiro epi, salvou o Doctor da Consciência Nestene; juntou a mulherada para escapar do Lobo; enfrentou o Dalek; jogou Satan da espaçonave; e inúmeras outras intervenções determinantes no rumo da história. Gosto de ambas, mas Donna era, na verdade, uma grossa, louca para encontrar um marido; e Amy tem uma personalidade muito inconsistente, que, penso, será mais bem desenvolvida nas próximas temps.

    E, gente, as temporadas mudam, idem atores, roteiristas. Vamos seguir em frente e aproveitar as novidades, os acréscimos, os novos horizontes; Se ficarmos só comparando, as experiências ficam limitadas, pequenas. E a série DW é muito maior que isso.

    Responder

    • Matheus Carvalho

      fevereiro 3, 2011 #33 Author

      Concordo com tudo…E Doctor Who É mudança…Isso tá no DNA da série desde 1964…Mudam companheiras, roteiristas, produtores, Doutores, Tardis, chave de fenda sônica…E tudo mais.
      Foi algo ousado do Davies colocar a Rose como par romântico do Doutor…O Doutor nunca! Repito, nunca teve qualquer tipo de relação “amorosa”…Mas aos meus olhos ela sempre será A companheira do 9º…

      Responder

      • Eddy

        fevereiro 3, 2011 #34 Author

        Só para constar, até a raça do Doctor já mudou…
        Nos primeiros episódios da primeira temporada ele era para ser um humano (até daleks chamaram ele de humano no começo), aí virou Time Lord, no filme dos anos 90 virou meio-humano, meio-Time Lord, em 2005 voltou a ser Time Lord completo, em Human Nature/Family of Blood ele virou humano com aquela parada da TARDIS lá que eu esqueci o nome….

        E sim, a Rose com o nono Doctor foi muito boa, mas quando veio o décimo a personalidade dela decaiu. Se tornou muito “par romântico” e pouco “companheira de aventuras”.
        Com o nono ela salvou ele, salvou um dalek com personalidade própria, salvou o próprio pai da morte que deveria ser irreversível, etc. Mas com o décimo isso mudou.

        Responder

        • Matheus Carvalho

          fevereiro 3, 2011 #35 Author

          E realmente…Fica bem perceptível que inventaram isso dele ser alien só lá pelo arco 007…

          Responder

  • Bianca Cavani

    fevereiro 3, 2011 #36 Author

    Rememorando:
    2a. temp.: espec. de Natal: Rose cuida do Doctor com problemas de regeneração-precoce. Leva-o à Tardis, enfrenta corajosamente os aliens (que morrem de rir dela).
    1) New-New-New…New Earth: não se deixou enganar pelo lacaio meia-vida da Casandra, pegou um ferro para sentar o cacete, mas ficou presa na máquina e Casandra entrou no corpo dela. Mas até no corpo do Doctor Cassandra entrou, então não foi bobeira da Rose.
    2)Tooth and claw: Rose junta as mulheres que só gritavam,e com a união quebram os grilhões. Imita o accent escocês para os soldados, enfrenta legal a rainha Victória, diverte-se tentando fazê-la dizer a tal frase.
    3) School reunion: Rose reclama pra cacete por estar de garçonete; descobre que a meleca amarela tinha tudo a ver com os mistérios da escola… aliás é com essa meleca verde que conseguem eliminar os aliens.

    (até aqui não vi nada de apaixonadazinha idiota)

    4)Girl in the fireplace: Rose desobedece o Doctor e descobre que havia órgãos humanos nos comandos da nave.
    5) The idiot’s lantern: Rose nota a profusão de televisores na Londres, e que isso era anacrônico, etc.: novamente esta é a chave do mistério.
    6) epis do Satan: não vou repetir.

    => Rddy, reconheça: Rose rocks! Rose rules!

    => Matheus, no filme do Doctor 8o. ele teve um momento com a companion americana…
    E com a timelady Romana, pelos vídeos que vi parece que ali também havia alguma coisa a mais entre os dois. Estou errada?

    Responder

    • Matheus Carvalho

      fevereiro 3, 2011 #37 Author

      Aaah…Sim…No filme tem aquele momentinho…Mas não foi nada tão grande quanto com a Rose…E da Romana…Eu não sei mesmo.

      Responder

  • Lucia

    fevereiro 4, 2011 #38 Author

    Doctor Who não levou nenhum premio pq não mereceu, simples assim.
    Capricho e mais dinheiro na produção não são, necessariamente, sinônimos de qualidade de roteiro e atuação.
    Culpar apenas o Matt Smith é de certa forma injustiça.
    Ele pode ser um ator fraco, mas os episodios da 5º temporada foram frios, sem emoção e, pela 1ª vez desde a 1ª temp, mal escritos e cheio de furos, como a peneira de “The Beast Bellow” ou a violencia excessiva e desnecessaria de “The Hungry Earth/Cold Blood”, pesados e sem a magia habitual de Doctor Who.
    A retomada dos Weeping Angels foi tão exagerada e sem humor, que deu até raiva.
    Não tem jeito: a 5ª temporada foi fraca, irregular e não empolgou, além de ter mexido em pontos chave da mitologia, o que parece que vai continuar nessa 6ª temporada.
    O que mais me incomodou, entretando, foi a frieza, a falta de magia e humanidade que nunca faltou nas temporadas passadas. Os episodios foram rotineiros e pareciam um sci-fi qq.

    Dizer que Rose foi uma companheira fraca é ignorar o cannon, todas as 3: Rose, Martha e Donna, (não esquecendo Astrid, River Song e Lady Christina de Souza)foram grandes guerreiras, varias vezes salvando situações, mundos e o próprio Doctor.
    A única companion que até agora não disse a que veio foi justamente Amy Pond, que até o momento só fez biquinho e arregalou os olhos. Ah, sim, ela atacou e tentou beijar o Doctor várias vezes, coisa que nem Rose, nem Martha JAMAIS se atreveram a fazer!
    Acho estranho quem detestou a Rose por ter tido um romance (discreto) com o Doctor, gostar agora de Amy: ela é sexualmente disponível (tanto que precisou se casar pra sossegar, o que acho um insulto velado da parte de Moffat às mulheres) e não tem uma grande personalidade, mas é mto bonita, claro.

    Nenhuma das outras companheiras iria, nunca, preferir esquecer alguma coisa de importancia vital e tentar dissuadir o Doutor de fazer o que ele tem que fazer. Tb foi a companion que mais precisou ser ‘salva’ de todas as temporadas.

    Sinceramente, espero que Moffat tenha aprendido com seus erros nessa temporada e nos traga uma bem melhor esse ano. Mas, no fundo, não vejo a hora da fase Moffat/Eleven passar.

    Responder

  • petraberg

    fevereiro 5, 2011 #39 Author

    Lucia, quanto às grandes qualidades da 5a. temp. eu discordo de você. Sim, não tivemos aquelas emoções extraordínárias que Russell e Tennant nos deram, mas foi o modo que o também grande Moffat pensou a história – a qual aceitei e estou usufruindo com muito prazer.
    Entretanto, quanto ao que você disse sobre Rose e as outras companions, uau, eu não argumentaria melhor. Essa ideia de que Rose e Martha eram apaixonadas bobinhas e passivas ficou circulando por aí e não existe nada mais contrário à verdade do que isso.

    Quero deixar, porém, um beijo a todos que discutem seus pontos de vista no blog – de modo argumentativo – porque é assim que a gente evolui da mera opinião para a Verdade.

    Responder

    • Eddy

      fevereiro 5, 2011 #40 Author

      O fato, para mim, não foi a falta de ação por parte das companions, mas sim as cenas em que elas e o Doctor contracenaram.
      Rose com décimo Doctor tiveram cenas onde se deitaram na grama quase se beijando, conversaram entre si como um casal, etc.
      Martha teve praticamente só cenas onde deixava claro o amor incorrespondido que ela tinha pelo Doctor.

      Agora Donna e Amy com seus respectivos Doctors tiveram mais cenas de investigação e argumentação, como em The Doctor’s Daughter e Vincent and the Doctor.
      Reforço que não estou dizendo que elas salvaram o Doctor mais vezes e Rose e Martha não o fizeram, mas sim que a personalidade delas em cenas onde contracenaram com o Doctor foi muito mais forte e interessante que as cenas de Rose (com o décimo apenas, com o nono ela foi incrível) e Martha.
      E discordo da Amy ser a que mais precisou ser salva. Logo em The Beast Below ela salvou o último ser de uma raça. E após descobrir aquilo tudo, de que era torturar o último ser de uma espécie ou destruir uma nação inteira de humanos com milhões de pessoas, qualquer uma das outras companions também escolheria esquecer se pudesse. A única que talvez não faria isso seria, novamente, Donna Noble.

      Responder

  • Bianca Cavani

    fevereiro 5, 2011 #41 Author

    Eddy, não é porque gosto muito mesmo de Rose, Martha, River, Donna, Lady Christina, que não vou gostar (muito também) de Amy. Como eu já disse certa vez, não precisamos, para elogiar alguém, desvalorizar outra pessoa.
    Aliás,nem gosto de ficar fazendo comparação, e se entrei nesta discussão foi somente porque, a meu ver, foram ditas inverdades sobre Rose.
    Mas eu segui em frente. Entrei de cabeça na Era Moffat. Quanto à Era Russell, estou sempre assistindo de novo algum epi, tenho toda ela gravada (inclusive os Confidentials) em rmvb, avi e gravado em DVD, vídeos do youtube, ringtone, papel de parede do Tennant no cel. Foi por causa desta Era – para mim, perfeita – que me tornei fã incondicional desta série (e de vocês todos do Blog Universo Who).

    Responder

    • Eddy

      fevereiro 5, 2011 #42 Author

      O comentário sobre a Amy foi mais direcionado para os outros comentários aqui.
      E eu admito que não gosto da Martha, mas a Rose é uma faca de dois gumes, na minha opinião. Tem cenas ótimas com um Doctor e cenas péssimas com outro (não suporto até hoje a cena dela toda ciumenta com a Sarah Jane, achei aquilo ridículo…), mas quando está sozinha ou em frente ao perigo ela foi uma companion muito boa, mesmo com o décimo Doctor, isso eu admito.

      Mas let’s face it: Donna > all. Melhor companion EVER, facilmente.

      Responder

  • Bianca Cavani

    fevereiro 6, 2011 #43 Author

    Ainda bem que a discussão fica no plano virtual, porque, caso contrário, estaríamos cheios de esparadrapos, olho roxo e mancando… Sério: este é um ponto que causa paixões e ódios acalorados.
    E ia acabar por aqui, mas (porém, como disse acima, o assunto provoca muitas paixões…), a ciumeira foi recíproca: Sarah Jane, usando suas palavras, Eddy, foi tão ridícula quanto Rose…
    Mas, olha só, escreveram a cena para ser engraçada, “tipo”, duas mulheres se estranhando… A mesma coisa aconteceu quando Jack e o Nono se encontraram em Empty Child: um competindo com o outro para ver quem tinha a screw drive mais bacana…
    E, por último, Martha foi a única (pelo menos da série nova) que deixou o Doctor para cuidar da sua própria vida. Formou-se em medicina, passou a fazer parte da Unit, e de armas na mão passou a perseguir os aliens. Não seria o caso de você pelo menos relativizar seu menosprezo por ela?
    E (agora é por último mesmo, juro!)uma coisa que me ocorreu neste minuto: Donna só teve atitudes, comportamento, dignos de admiração pelo contato que teve com o Doctor, principalmente quando compartilhou da natureza de um timelord. Sem isso – tendo de esquecer, para não morrer – ela voltou à nulidade de antes: caçando marido, conversando banalidades, sendo grosseira com as pessoas, falando alto (como um turista brasileiro em outro país, rsrs). Donna é mais comédia, embora tenha tido cenas dramáticas in-crí-veis! Rose, Martha, Lady Christina – todas tinham personalidade (antes de conhecer o Doctor) mais nobre e interessante.

    Mas, seguindo o meu mantra “seguir em frente”, que será que Moffat quis dizer com “vamos conhecer a verdadeira natureza de Amy”? E também disse que vamos conhecer quem é River. O moffat tem uma cara de bonzinho, mas tem um lado muito mau, torturando a gente desse jeito… (ainda bem!)

    Responder

    • Eddy

      fevereiro 6, 2011 #44 Author

      Eu não vejo NADA de bonzinho no Moffat…. He is eeeeeeeevil…….
      Foi ele que fez centenas de pobres criancinhas britânicas nunca mais passarem perto de estátuas de anjos, no Blink, lembra?

      Sobre a Martha: como eu falei antes: eu não gostei principalmente das cenas dela com o Doctor, sempre com aquele olhar de “Ele não me beija, vou chorar…”
      Em Torchwood, por exemplo, ela foi a personagem mais interessante (depois do Jack e da Gwen) nos episódios em que participou, mas em Doctor Who ela não foi muito bem utilizada. Pelo menos não na temporada onde foi personagem principal.

      Responder

  • Bianca Cavani

    fevereiro 6, 2011 #45 Author

    Eddy, e o final de Torchwood, em que Jack sacrifica o neto?! Uau, Russell teve muito bols (é assim que se escreve?) para escrever isso. É quase uma quebra de tabu; é muito difícil matarem criancinhas em filmes. Penso que, se fosse produzida nos USA, o neto do Jack seria poupado. A última cena seria ele, com uma blusa vermelha do Boston Red Sox, acenando para Jack, partindo com lágrimas nos olhos…
    Na época, li muitos comentários indignados pelo final dessa última temp. de Torchwood. Quanto a mim, achei ma-ra-vi-lho-so! Não sobrou um tijolo inteiro da sede do Instituto, rsrs.

    Responder

    • Eddy

      fevereiro 7, 2011 #46 Author

      Foi um golpe forte por parte do Russel, isso é fato. A censura no Reino Unido para programas noturnos é uma das mais baixas no mundo, acredito eu (perdendo para o Japão e seus animês de tentáculos estuprando garotas adolescentes).
      Só não gostei como isso foi banalizado em Doctor Who. O Jack se recuperou de sacrificar o próprio NETO simplesmente pegando o Alonso? Come on….

      PS.: se escreve “balls” (de “bolas” mesmo – sim, as duas bolas que você tá pensando (eu acho))

      Responder

  • Bianca Cavani

    fevereiro 7, 2011 #47 Author

    A meu ver, Jack merecia todos os prêmios, pois, em vez de ficar em parafuso (omeudeus meu neto!), salvou a Terra de ter de esporadicamente enviar aquele monte de crianças para os aliens tomarem na veia… Para mim a questão é mais: o Alonso foi uma recompensa à altura?

    Então os animes-hard japoneses estão sem tarja preta? rsrs.

    Responder

    • Eddy

      fevereiro 7, 2011 #48 Author

      Sim, ele merecia recompensa. O que quis dizer é que dizer que ele se sente melhor quanto ao sacrifício do neto por estar com o Alonso é idiotice…

      Sim, os animes hard estão sem tarja preta, um “amigo” meu me mandou uma imagem de um desses animes há um tempo atrás… Foi o começo dos meus pesadelos com Cthulhu…

      Responder

  • Lucia

    fevereiro 14, 2011 #49 Author

    Por isso que eu amo esse site: a discussão aqui é sempre ótima, de alto nível. Tenho andado um bocado por aí e já vi briga feia pelo fato das

    pessoas discordarem. Acho que a inteligencia do Doctor tem tudo a ver com todos nós.
    Depois de longo tempo do meu post, só uns adendos…
    Admito que sou romântica e gostei do romancinho Ten/Rose, mas nunca esperei que eles fossem ficar juntos pra sempre, pq não é o lance de DW.

    Aproveitei o que tiveram e pronto, fim.
    Não me incomodou, mas admito que inserirem a ‘paixão’ da Martha pelo Doctor só serviu pra atrapalhar a trajetoria dela: a antipatizou com quem

    não gosta de romance e com quem era fanático de Ten/Rose. Talvez por isso, eu goste de ‘defender’ a Martha, pq ela foi prejudicada em tudo isso.

    Tb concordo que essa paixão à primeira vista foi meio que enfiada goela abaixo pelos produtores, desnecessariamente.
    Embora no final eu tenha gostado de vê-la mais forte e independente.

    [quote da Bianca] Martha foi a única (pelo menos da série nova) que deixou o Doctor para cuidar da sua própria vida. Formou-se em medicina,

    passou a fazer parte da Unit, e de armas na mão passou a perseguir os aliens.[/quote]
    Exato! Por isso tenho uma admiração particular pela Martha, pq foi a companion que começou com maior ‘desvantagem’ e acabou tendo a trajetoria

    mais vitoriosa e independente.

    Produtores tb são humanos e pisam na bola, às vezes. Até que Russell e Moffat fazem isso mto pouco. Tem seriados cujos produtores deveriam

    ser fuzilados…

    Por outro lado, como ainda não assisti nada dos Doctors anteriores, não sei como eles costumavam se comportar com as antigas companheiras,

    então não posso julgar, mas se vcs notarem, desde o Nine, o Doctor tem se mostrado bastante sedutor e praticamente um big flirt.
    Nine flertou com aquela criatura meio árvore, que deu a mudinha do avó dela em Rose, com a própria Rose, até com Lynda with an Y. E Ten, então,

    beijou praticamente quase todas as personagens femininas convidadas.
    Talvez, nesse ponto, o Russell tenha exagerado um pouco. Ten foi um tanto galã demais, né? Mesmo gostando e me divertindo mto com isso,

    consegui perceber esse detalhe.
    E talvez por isso mesmo Russel tenha se corrigido e feito de Donna apenas uma grande amiga e apoiadora do Ten, pra nossa completa delicia.

    [quote 2 da Bianca] E (agora é por último mesmo, juro!)uma coisa que me ocorreu neste minuto: Donna só teve atitudes, comportamento, dignos de

    admiração pelo contato que teve com o Doctor, principalmente quando compartilhou da natureza de um timelord. Sem isso – tendo de esquecer,

    para não morrer – ela voltou à nulidade de antes: caçando marido, conversando banalidades, sendo grosseira com as pessoas, falando alto (como

    um turista brasileiro em outro país, rsrs). [/quote]
    Sabe que tb tive essa sensação? No final das contas, Donna teve o final mais patético da fase Russell/Ten.

    Eleven parece bem mais distante romanticamente do que os anteriores. Até qdo, me pergunto, já que o Doctor vai ter algo bastante definitivo com

    River Song. Ando mto curiosa sobre como isso vai se dar.

    Sobre a Amy Pond, ainda não consegui mesmo me conectar com ela como fiz anteriormente com as outras e nem vi mto serviço dela. O que a

    Martha representa pra Eddy por exemplo, ela representa pra mim. Não me convenceu, nem como assistente nem como atriz – acho ela mto chata.
    (E não acho que Rose, Donna ou Martha iriam preferir esquecer alguma coisa e não contar ao Doctor, mas isso é IMO apenas).

    Como sei que a 5ª temporada foi uma de transição em tudo: produtor, elenco, etc, dei um desconto. Não é fácil fazer uma grande transição.
    Além do mais, apesar do medo das mudanças com o paradoxo temporal e dos Kazrams se abraçando sem o universo derreter, amei o xmas

    special, teve a tal magia de que senti falta durante a temporada e voltei a sentir The Doctor de volta!
    Mas que não foi a melhor das temporadas, não foi, não.

    Tô mto ansiosa pela 6ª temporada e pelo episodio do Neil Gaiman!

    E pra não perder o hábito de ser uma reclamona do contra, discordo que a Donna foi a melhor companheira, essa daqui seria a melhor de todas,

    “the gorgeous time traveller assistant” eaheuaehaehah!

    http://www.youtube.com/watch?v=r4dUQgIaXGg

    PS: Nossa, vcs me deixaram mto, mto curiosa pra ver esses epis de Torchwood! Baixei alguns da 1ª temporada, mas andei sem tempo pra baixar

    mais. Series inglesas são boas por essas tiradas radicais, tão diferentes das mesmices das series americanas… e esses animês japoneses…

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *