Por Carlos Machado (cipexbr@yahoo.com) O View Master foi criado e difundido a partir de 1939. Possui um grande número de discos em 3D (discos...

Por Carlos Machado (cipexbr@yahoo.com)

O View Master foi criado e difundido a partir de 1939. Possui um grande número de discos em 3D (discos estereofônicos). Uma coleção exclusiva de slides coloridos em 3D, criados a partir da década de 30, que necessitam de um visor especial. Apesar de seus quase 80 anos, não ficou muito conhecido no Brasil, pois pouca gente o conhece por aqui, mas na Europa e nos Estados Unidos foi a coqueluche das décadas 40, 50, 60, 70 e 80. Ainda existem muitos modelos e reproduções (cópias de originais antigos) que circulam pelo mercado mundial e que são cobiçados por colecionadores.

Pra quem não conhece o View Master é um aparelho que parece uma máscara, ou um óculos, por onde você enxerga tridimencionalmente imagens de mini-slides feitos por câmera fotográfica especial, que são inseridos em discos, ou carretel de papelão. A medida que você vê uma imagen, acionando-se um botão lateral que gira o carretel para que se possa assistir toda a sequência. Normalmente cada envelope de View Master, acompanha um pequeno livreto de 16 páginas com explicações individuais de cada fotograma e três carretéis contendo 14 slides cada um, sete pares na verdade.  Muitos ingleses foram privilegiados, pois tiveram oportunidades únicas de conhecer o mundo através de ótimas séries como Doctor Who, por exemplo.

Originalmente não foi concebido para entretenimento juvenil ou como brinquedo para crianças, como é atualmente, mas sim como uma ferramenta educacional pedagógica para adultos, ou uma alternativa cultural fantástica e diferenciada de cartões postais. Sua preocupação principal, era entreter toda a família, por isso, encontram-se View Masters com temáticas adultas – que para crianças tornam-se até mesmo maçantes: fotos de paisagens turísticas feitas pelo mundo, missões lunares, astronomia, geologia, natureza, séries de televisão, desenhos animados e séries especiais de Natal ou religiosos. Se tornaram muito populares no mundo principalmente por conta da Disneylândia e outras séries da TV e do Cinema.

As câmeras fotográficas utilizadas para montar esses slides possuíam duas lentes e dessa forma obtinham duas imagens parecidas com uma pequena diferença na distância entre elas (cerca de 4 cm. – distancia media dos olhos humanos) o que proporcionava a reprodução do nosso olhar em 3D.

Para a confecção de alguns View Master, eram produzidos em estúdios especiais, dioramas (cenas paradas), onde personagens feitas por artistas consagrados na época, como Florence Thomas ou Joe Liptak, protagonizavam histórias de Natal ou aventuras, incluindo estórias da Disney e Hanna-Barbera.

Essa técnica é similar ao stop-motion utilizado no cinema de curta metragem até hoje e o resultado final, são verdadeiras obras primas que podiam ser visualizadas em 3D.

O equipamento era simples mas eficaz, sem a sofisticação dos atuais 3D com óculos, ou sem óculos que ainda custam caro. Seu recado era singelo: trazer entretenimento e diversão para todos os gostos.

Também existiam vários modelos de projetores específicos para exibir os minúsculos slides. Um em 2D com uma lente e outro em 3D com duas lentes. Alguns s!ao acompanhados por disquinhos de vinil com áudio para que ao mesmo tempo em que se via as imagens também pudesse ouvir as histórias ou canções.

Na Inglaterra foram lançados dois discos também com nosso amigo Doutor.

Full Circle com o 4º Doutor e Castrovalva com o 5º Doutor.  Para consegui-los você deve acessar o ebay britânico e ter um pouco de paciência, pois, ás vezes, aparece alguns view masters do Doutor por lá. O problema é que nem sempre estão disponíveis para venda fora da Inglaterra.

Alguns slides e o disco do View Master Full Circle (clique para aumentar as imagens):


 

Minha sugestão é: comunique-se antecipadamente com os vendedores em inglês, tente negociar e depois tenha boa sorte no leilão.

Resumindo o View Master Full Circle mostra o Doutor e Romana tentando retornar a Gallifrey, mas contra a vontade do doutor, a Tardis se materializa em um planeta estranho chamado ALZARIUS. Ali vive a comunidade dos Starliner, uma nave que deixou de funcionar há quarenta séculos e está se preparando para partir.

Para saber mais sobre a história e uma referência completa dos vários modelos que foram disponibilizados ao longo dos anos, você pode consultar o blog futurantiqua. O View-Master ainda está em produção, atualmente sob os auspícios de Fisher-Price (site oficial View-Master).

Universo Who

Publicações feitas por colaboradores que em algum momento fizeram parte da história deste site desde 2009, mas que não mais fazem parte do projeto.

  • Amanda Tavares

    maio 10, 2011 #1 Author

    Essa coisa dos disquinhos e tal me lembra um fenaquitoscópio. Achei legal, achei bonito.

    Responder

  • kelvin

    maio 11, 2011 #2 Author

    Em tempos remotos, nem tanto assim, final da década de 70, tive a aportunidade de ganhar este visor de longo alcance em 3D de um amigo que estava se desfazendo de suas quinquilharias de seu quarto com 3 discos. Zorro, O Caveira e Flash Gordon. Gostei muito de lembrar graças à voce meu amigo de longa data. Almirante Carlos Machado. Um forte abraço. Kelvin

    Responder

  • Gléce Jatobá

    março 1, 2012 #3 Author

    Legal…

    Responder

  • NeeKill

    abril 3, 2012 #4 Author

    Ótimo texto!

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *